finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Inadimplência do consumidor recua pela 1ª vez no ano

A inadimplência do consumidor brasileiro caiu 0,5% em outubro na comparação com o mesmo mês do ano passado, o que representa a primeira queda em 2009 na comparação anual. Na avaliação da Serasa Experian, empresa de análise de crédito, em outubro deste ano os sinais de recuperação da economia têm favorecido a queda gradual da inadimplência, enquanto no mesmo período de 2008 o Brasil vivia um dos piores momentos da crise mundial, com a queda do consumo, da produção e do crédito.

ANA LUÍSA WESTPHALEN, Agencia Estado

11 de novembro de 2009 | 11h19

Na comparação entre outubro e setembro, no entanto, o indicador de inadimplência do consumidor apontou ligeiro crescimento de 0,4%, devido às compras no Dia das Crianças. A expectativa da Serasa é de que a chegada do 13º salário contribua para a redução da inadimplência até o fim do ano. No acumulado de janeiro a outubro, o indicador registrou alta de 7,9% ante mesmo período do ano passado.

As pendências financeiras com bancos lideram o ranking, e representam 44,6% das dívidas do consumidor no período de janeiro a outubro de 2009. Em seguida estão as dívidas com cartões de crédito e financeiras, com participação de 36,2% nas dívidas do período. Em terceiro lugar, aparecem os cheques sem fundo (17,3%), seguidos por títulos protestados (1,9%).

Cheques sem fundo

Na pesquisa de inadimplência da Serasa, chama atenção o expressivo crescimento no valor médio das dívidas com cheques sem fundo. No acumulado de janeiro a outubro do ano passado, o valor médio das dívidas foi de R$ 690,02, saltado para R$ 988,66 no mesmo período de 2009, uma alta de 43,3%. Na mesma base de comparação, o valor médio dos títulos protestados também apresentaram crescimento, de 15,3%. Já as dívidas com cartões de crédito e financeiras e as dívidas com bancos registraram queda de 9,4% e 0,3%, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.