Estadão
Estadão

Inadimplência do consumidor recua pelo segundo mês seguido em julho

De acordo com pesquisa do SPC, número total de brasileiros negativados somou 58,9 milhões no mês passado, 200 mil a menos do que em junho

Álvaro Campos, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2016 | 11h25

SÃO PAULO - A inadimplência do consumidor recuou pelo segundo mês seguido em julho, segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O número total de brasileiros negativados somou 58,9 milhões no mês passado, 200 mil a menos do que em junho.

Apesar da queda, esse número é considerado elevado, por representar 39,57% da população adulta no País. Na comparação com julho do ano passado, houve alta de 1,99%. Os dados não levam em consideração a região sudeste devido a entrada em vigor da Lei Estadual nº 15.659, conhecida como 'Lei do AR', que dificulta a negativação de inadimplentes em São Paulo.

"Apesar do crescimento mais moderado da inadimplência na comparação anual e da queda na comparação mensal, ainda é cedo para considerar que a tendência de retração da inadimplência se manterá ao longo dos próximos meses", afirma o presidente da CNDL, Honório Pinheiro. Ele lembra que o aumento do desemprego e a inflação elevada reduzem a renda das famílias, afetando a capacidade de pagamento. Além disso, há maior restrição ao crédito. 

"Por ora, é precipitado atribuir os sinais de estabilidade da inadimplência ao desempenho da economia, já que a retomada da melhora do ambiente econômico vem acontecendo de forma tímida e ainda exigirá tempo para traduzir-se em aumento do emprego e da renda", acrescenta a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Assim como nos últimos meses, a região Nordeste foi a que teve o maior crescimento no número de devedores, com alta de 5,01% na comparação anual. Em seguida aparece a região Norte, com um aumento de 0,85%. Já no Sul houve queda de 1,12%, enquanto no Centro-Oeste a baixa foi de 1,23%.

O indicador também verificou que houve crescimento de 1,82% na quantidade de dívidas atrasadas na comparação entre julho de 2016 e o mesmo mês do ano passado, no âmbito nacional. O maior avanço no número de dívidas foi com as empresas concessionárias de serviços como água e luz, cuja alta atingiu 8,33% na comparação anual. As dívidas com os bancos crescerem 2,48%, ao passo que os atrasos junto ao comércio avançaram 1,42%. O único setor em que houve queda foi o setor de comunicação, que engloba TV por assinatura, internet e telefonia, com recuo de 5,17%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.