Inadimplência do consumidor subiu 5,6% no 1.º semestre

Variação registrada é a menor para os primeiros seis meses do ano desde 2011

17 de julho de 2013 | 15h16

SÃO PAULO - O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor fechou o primeiro semestre de 2013 com crescimento de 5,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. De acordo com o levantamento, divulgado nesta quarta-feira, essa é a menor variação para o período desde 2011, quando a inadimplência do consumidor cresceu 21,6%. Na variação mensal - junho contra maio - o índice registrou retração de 4%. Já na comparação de junho deste ano contra o mesmo mês de 2012 o indicador caiu 3%.

Apesar da alta na inadimplência no semestre, na avaliação dos economistas da Serasa Experian o consumidor tem se mostrado mais cauteloso em relação à sua situação financeira e a inadimplência como um todo está perdendo fôlego em decorrência de um conjunto de fatores desfavoráveis ao consumidor, que enfrenta renda menor e juros maiores.

"A inflação reduziu o poder aquisitivo e o ciclo de elevação dos juros tem penalizado aqueles que utilizam intensamente o cheque especial e o rotativo do cartão de crédito. Diante deste cenário, o consumidor evita novas compras a prazo e prioriza o pagamento e a renegociação das dívidas", afirma a instituição, em nota.

O que mais contribuiu para o crescimento do indicador no primeiro semestre do ano foram as dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica, água etc.), com alta de 12,6%. Já a inadimplência com bancos subiu 1,3%. Os cheques sem fundos e os títulos protestados apresentaram retração, com queda de 9,4% e 1,4%, respectivamente.

Segundo a Serasa, o valor médio da inadimplência não bancária teve redução de 10,9% no primeiro semestre de 2013, na comparação com o mesmo período de 2012. Em relação aos títulos protestados, o recuo foi de 2,2%. Já as dívidas com os bancos e os cheques sem fundos registraram alta de 5,4% e 10,4%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.