Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Inadimplência entre famílias paulistanas atinge maior valor em dois anos

Índice é puxado pela baixa renda; 18% das famílias paulistanas estão inadimplentes

Guilherme Mendes, especial para o 'Estado', O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2015 | 16h56

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), produzida mensalmente pela Federação do Comércio de Bens de São Paulo (FecomercioSP), indicou em outubro que 18% das famílias paulistanas estão inadimplentes, uma alta puxada pelas fatia de baixa renda (renda inferior a 10 salários mínimos). O índice representa a terceira alta seguida no ano e o maior valor desde julho de 2013. 

A pesquisa foi feita com 2.200 pessoas na cidade de São Paulo e também aponta que 52,4% das famílias paulistanas que possuem alguma dívida. Apesar do recuo em relação ao mês anterior, onde 54,7% das casas estavam endividadas, a comparação com outubro de 2014 é preocupante: o total chegou a 1,88 milhão de pessoas, alta de 7,1%.  

Entre a população de baixa renda, 57,5% das famílias possuem algum tipo de contas a pagar. Para o assessor econômico da FecomercioSP, Vitor França, o aumento do número de endividados nesta faixa de renda apresenta um primeiro estágio da contração do consumo. "As famílias foram até onde podiam ir, já queimaram as reservas que elas tinham, e elas estão sofrendo muito com a alta dos preços, e também com o aumento rápido do desemprego", pondera.

 

Entre as famílias de renda elevada (acima de 10 salários), o aumento foi sentido pela pesquisa, que considerou o crescimento "dentro de uma oscilação". 

O levantamento mostra que 54% dos paulistanos possuem dívidas com prazos superior a seis meses, mas houve a expansão da parcela de dívidas por períodos mais curtos -  o que envolve créditos mais arriscados, como o cartão de crédito. 

Em 73,7% das famílias, o passivo principal envolve o cartão de crédito, com larga vantagem para débitos com financiamentos automotivos (18%), carnês em geral (17,7%, residencial (12,8%), crédito pessoal (10,9%) e cheque especial (8,2%). 

Tanto o cartão quanto o cheque especial - duas das taxas mais altas entre as operações de pessoas físicas - tiveram aumento no último mês. 

"Esse aumento sugere que as famílias de baixa renda estão correndo cada vez mais atrás destas linhas de crédito emergenciais. Isso é extremamente preocupante, pois a gente sabe como essa taxa é alta e como se pode perder o controle das finanças assim", afirma França. 

Dentre os entrevistados, 7,1% que acreditam não conseguir honrar suas dívidas no próximo mês, o maior valor desde 2009. Entre aqueles que recebem menos de 10 salários mínimos, a afirmação é positiva para quase 10% dos casos. 

Tudo o que sabemos sobre:
inadimplencia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.