Inadimplência no mercado livre de energia sobe para 8%

A inadimplência no mercado livre de energia elétrica atingiu R$ 95 milhões nos negócios realizados em janeiro, segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) divulgados hoje. Segundo a CCEE, entidade que centraliza os negócios de compra e venda de energia elétrica no mercado livre, o montante liquidado somou R$ 1,155 bilhão, dos quais R$ 1,059 bilhão foram quitados, o que representa 91,7% de adimplência, ou 8,3% de inadimplência. Em dezembro, para um movimento de R$ 358,2 milhões, o nível de adimplência atingiu 98,87%, com os atrasos no pagamento somando R$ 4 milhões, conforme os dados da CCEE. Participaram desta liquidação 901 agentes de mercado, sendo 325 devedores e 576 credores.Os operadores que acompanham o dia-a-dia do mercado de energia de curto prazo já esperavam um aumento na inadimplência em janeiro devido ao forte aumento nos preços início do ano. O megawatt-hora (MWh) pulou para R$ 569,59, o que é um patamar mais de 30 vezes acima do observado em janeiro do ano passado, quando estava em R$ 17,59. Tradicionalmente, devido ao forte volume de chuvas no País nessa época do ano, os preços no mercado livre situam-se em patamares muito baixos. Este ano, porém, a seca em dezembro e janeiro gerou pressão sobre os preços no mercado livre. Nesta terceira semana de março os preços ainda continuam elevados, atingindo R$ 174,41 por MWh, apesar da recuperação dos reservatórios da região. Esses patamares estão bem acima dos preços no mercado de energia nova, que estão abaixo de R$ 120 por MWh para as hidrelétricas e em torno de R$ 135 para as térmicas.Para o presidente do Conselho de Administração da CCEE, Antônio Carlos Fraga Machado, o resultado está "dentro das expectativas", levando em consideração a variação dos preços verificada entre os meses de dezembro e janeiro. "Este foi o primeiro grande desafio do sistema, que liquidou em um único mês o equivalente a 44% do total realizado em 2007", destaca o executivo, em nota divulgada à imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.