Inadimplência no país chega a 6% em maio, recorde--BC

O Brasil continuou mostrando crescimento no mercado de crédito, mas com a inadimplência ainda robusta, chegando ao seu recorde histórico. Segundo o Banco Central, crédito total disponibilizado no Brasil subiu 1,7 por cento em maio, representando 50,1 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), ou 2,136 trilhões de reais.

REUTERS

26 de junho de 2012 | 11h07

Por outro lado, o BC também informou nesta terça-feira que a inadimplência ficou em 6 por cento no mês passado, maior nível desde o início da série histórica, que começou em junho de 2000. Em abril, a inadimplência havia ficado em 5,9 por cento.

O calote de pessoa física subiu 0,2 ponto percentual em maio, para 8 por cento, já a inadimplência de empresas ficou estável pelo quarto mês consecutivo em 4,1 por cento.

O BC informou ainda que o spread bancário -diferença entre o custo de captação dos bancos e a taxa efetivamente cobrada ao consumidor final- atingiu 24,7 pontos percentuais em maio, contra 26,3 pontos no mês anterior.

Mesmo com mais calotes, a taxa média de juros caiu 2,2 pontos percentuais em maio, para 32,9 por cento ao ano. A queda foi registrada também para pessoa física, cuja taxa saiu de 41,8 para 38,8 por cento, e para pessoa jurídica, que passou de 26,3 para 25 por cento.

Já a concessão média diária de crédito caiu 1,5 por cento no mês passado, depois de registrar alta em abril em relação à março, segundo o BC.

RESISTÊNCIA

O governo tem agido para estimular a oferta de empréstimos e financiamentos como mecanismo para levar à uma recuperação econômica mais forte no país ao mesmo tempo em que garante que a inadimplência irá recuar ainda neste ano.

Para estimular o crédito, no final de maio, por exemplo, o governo reduziu Imposto sobre Operações de Financiamento (IOF) para operações voltadas a pessoas físicas, mas antes disso já havia colocado os bancos públicos para liderar movimento de redução das taxas de juros ao consumidor final.

Os bancos estavam receosos com os sinais claros de aumento de inadimplência, com destaque para a aquisição de veículos.

Para o governo, manter o mercado de crédito aquecido é importante para estimular a economia, via demanda interna, neste momento de crise internacional. O próprio BC tem ajudado, ao reduzir em 4 pontos percentuais a Selic, para a mínima recorde atual de 8,50 por cento ao ano, e deve continuar o movimento de queda.

O presidente do BC, Alexandre Tombini, tem dito que a redução da inadimplência vai ocorrer de maneira mais decisiva ao longo do segundo semestre, como resultado da maior qualidade de crédito oferecido a partir da segunda metade de 2011.

Além disso, Tombini prevê expansão do crédito ao longo dos próximos trimestres, em contexto de menores taxas de juros e spread bancário.

(Por Tiago Pariz, com reportagem adicional de Luciana Otoni e Alonso Soto)

Tudo o que sabemos sobre:
BACENCREDITOATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.