seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Inadimplência tem alta recorde de 89,24% em julho

A inadimplência no País alcançou, no mês passado, números históricos, superando em 89,24% o resultado do mesmo período em 2005. Os dados foram obtidos pelo levantamento divulgado nesta quinta-feira pelo Serviço de Proteção ao Crédito Brasil (SPC Brasil). Na comparação com junho de 2006, também houve aumento significativo, de 41,65%.O volume de endividados foi apurado por meio das inclusões, no banco de dados do SPC Brasil, de registros de CPFs de pessoas que não honraram suas dívidas. Entre janeiro e julho, o movimento de alta também foi verificado, com incremento de 34,73% sobre os primeiros sete meses do ano passado.Na avaliação do SPC Brasil, a explicação para o alto índice de registros de inadimplência está em fatores como a expansão de parcelas de baixo valor para crediário, oferecida pelo varejo; inclusões de registros originadas nas empresas fornecedoras de infra-estrutura; e a ampliação do acesso ao crédito aos consumidores das classes "D" e "E". "Essa nova classe de compradores, ao buscar os prazos dilatados, arrisca-se à inadimplência. São consumidores com menos fôlego financeiro, mais susceptíveis ao desemprego e sem uma reserva, sem poupança", destacou, em comunicado à imprensa, o presidente da empresa, Araken de Carvalho Novaes.De acordo com o SPC Brasil, parte dos registros verificados no sétimo mês deste ano pode ser resultado de descumprimento de pagamento sobre dívidas assumidas ainda no final de 2005, e não apenas no Dia das Mães, Dia dos Namorados ou durante a Copa do Mundo. "As pessoas pagam as primeiras prestações e, lá na frente, por alguma eventualidade, se embaraçam", reiterou Novaes, que citou também o crédito consignado como fator de impacto.ExclusõesSegundo a companhia de análise de crédito, a soma de todos esses elementos não está permitindo que as exclusões de registros do SPC Brasil acompanhem o ritmo necessário para manter um equilíbrio. O movimento de retiradas de registros da base de dados, em julho, foi de apenas 19,81% superior ao mesmo mês de 2005, bem distante dos quase 90% de registros de inclusão realizados.Na comparação com junho de 2006, houve queda de 23,40%, o que significou que ainda menos consumidores deixaram a condição de devedores.VendasQuanto às consultas ao SPC, espécie de termômetro das vendas a prazo, o movimento entre julho de 2006 e o mesmo mês do ano passado apresentou crescimento de 5,02%. Na comparação com junho deste ano, o movimento foi negativo, com decréscimo de 0,97%.Apesar dos números pouco animadores, o SPC Brasil se mostrou otimista para o restante do ano, principalmente com o Natal. A empresa destacou que reforça a percepção de que as campanhas de recuperação de crédito, promovidas pelas Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDLs) no País, podem ser um dos caminhos para direcionar o 13º salário à quitação de dívidas e abertura de novas oportunidades de crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.