InBev espera sinal verde para oficializar oferta

Segundo fonte, conselho da empresa ainda não votou proposta pela Anheuser-Busch

Reuters, Bruxelas, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2008 | 00h00

A cervejaria belgo-brasileira InBev ainda não iniciou negociações para a compra da cervejaria americana Anheuser-Busch, mas está realmente considerando a aquisição da empresa, informou ontem uma fonte próxima à situação. A fonte também informou que o conselho de administração da InBev ainda não votou sobre uma eventual aproximação da companhia na direção da Anheuser.A InBev também não decidiu, afirmou a fonte, se vai buscar a aquisição de outras companhias no caso de um acordo com a Anheuser-Busch fracassar, como foi noticiado pelo jornal britânico Financial Times. Citando fonte próxima ao assunto, o jornal publicou que a InBev e SABMiller já tiveram discussões sobre um possível acordo anteriormente, e que essas negociações poderiam recomeçar se a compra da Anheuser-Busch fracassar. As ações da SABMiller chegaram a subir mais de 8% ontem por causa da notícia.Na última sexta-feira, o Financial Times publicou que a InBev estava considerando uma oferta de US$ 65 por ação pela empresa americana, e que um pacote de financiamento de US$ 50 bilhões foi acertado provisoriamente com os bancos JPMorgan e Santander. A cervejaria belgo-brasileira não exclui a possibilidade de uma oferta hostil, segundo o jornal.A InBev, criada em 2004 pela fusão da belga Interbrew com a brasileira AmBev, possui apenas uma fração do mercado americano, mas possui negócios maduros na Europa ocidental. A companhia ainda está presente em mercados de crescimento no leste europeu, Ásia e América Latina.A Anheuser domina o mercado nos Estados Unidos e possui uma participação na chinesa Tsingtao, mas a empresa tem enfrentado um abandono pelos americanos de cervejas locais, que estão preferindo mais vinho, destilados e cervejas estrangeiras.MÉXICOA eventual proposta da InBev pela Anheuser-Busch pode mexer com o acomodado duopólio existente no mercado de cerveja mexicano. A Modelo, fabricante da cerveja Corona, e a Femsa, fabricante da Dos Equis, vendem aproximadamente 98% de toda cerveja no México, e ambas enfrentarão mudanças significativas se a aquisição for adiante.A Anheuser-Busch detém 50% da Modelo, a sétima maior cervejaria do mundo, com valor de mercado de US$ 16 bilhões. Isso significa que qualquer aquisição da fabricante da Budweiser envolveria diretamente a empresa mexicana.Os dois cenários mais prováveis, dizem analistas, são que a Modelo receba com satisfação a proposta da InBev, oferecendo assentos no conselho de administração, ou rechace a oferta, tentando uma recompra das ações da Anheuser-Busch. A recompra é bastante possível, pois a Modelo está livre de dívidas e conta com pelo menos US$ 1 bilhão em caixa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.