Incêndios, saques e brigas, em protesto contra o G-8

Genebra, conhecida como a "cidade da paz", presenciou nas últimas 48 horas incêndios, saques e graves enfrentamentos entre a polícia e os manifestantes, que protestam contra a reunião do G-8. Apesar de todo o esfoços dos organizadores das passeatas para que as manifestações ocorressem de forma pacífica, grupos isolados de ativistas promoveram cenas de violência durante todo o dia. A reunião do G-8 ocorre em Evian, na França. Mas diante do esquema de segurança montado pelos organizadores, a concentração das manifestações ficou estabelecida em Genebra, há poucos quilômetros do evento. Hoje, cerca de 100 mil pessoas promoveram uma passeata e caminharam entre Genebra e Evian. Os manifestantes foram obrigados a interromper a marcha na fronteira entre a França e a Suíça. No caminho, lojas e postos de gasolina foram destruídos. Apesar dos incidentes, os organizadores das manifestações garantem que 97% dos ativistas estavam protestando de forma pacífica. "A maioria veio para dar uma mensagem contra o G-8 de forma pacífica", afirmou a brasileira, Nathalie Chalon, que estuda em Genebra e que também participou da manifestação .Mas na madugada de sábado para domingo, ativistas percorreram a cidade promovendo atos de violência e incendiando várias lojas. Muitas delas também foram saqueadas. A polícia de Genebra, apenas de estar bem equipada e de ser numerosa, não conseguiu evitar os danos materiais à cidade e reagia com prisões e bombas de gás lacrimogênio para dispersar os manifestantes. Muitos dos ativistas se refugiaram em uma boate da cidade, mas no começo da noite a polícia invadiu o local em busca dos baderneiros e, segundo os ativistas, muitos foram feridos. Em Lausanne, onde está hospedado Lula e outros chefes-de-estado, as manifestações também foram violentas e um acampamento onde estavam os ativistas foi invadido pela polícia. Na estrada que liga Lausanne à Genebra, um outro ativista foi ferido gravemente em confrontação com a polícia. "A noite será agitada", previa ontem um policial de Genebra, ao se preparar para começar seu turno em um bairro central da cidade suíça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.