Análise: Incerteza inibe, mas não impede retomada

Apesar do aumento da instabilidade, ainda há evidências que economia deve continuar processo modesto de recuperação

Gesner Oliveira, Impresso

17 Junho 2017 | 17h00

O aumento da instabilidade política criou um cenário de incertezas e colocou em xeque a continuidade das reformas econômicas, abalando a confiança dos empresários e investidores.

Antes das delações da JBS, a economia brasileira dava os primeiros passos para sair da maior recessão de sua história. Depois de oito trimestres de queda, o PIB voltou a crescer, em 1% no primeiro trimestre. Um bom sinal, embora a contribuição da agropecuária e da demanda externa tenha sido maior que a esperada. A demanda interna segue modesta.

De toda forma, os fundamentos econômicos sugerem, independentemente da crise política, a retomada da economia, mesmo que de forma bastante gradual ao longo do ano. Mas não estão descartadas novas dificuldades pelo caminho.

Os preços dos ativos domésticos, que sofreram forte depreciação depois da divulgação do acordo de delação da JBS, apresentam alguma estabilidade. O dólar, por exemplo, permanece próximo aos R$ 3,30, e não deve gerar maiores efeitos inflacionários. As projeções de crescimento foram revistas para baixo, mas ainda há expectativa de ligeira expansão.

Esse quadro favorável abre espaço para o Copom continuar reduzindo a taxa de juros. Nesse cenário inflacionário confortável, o BC pode inclusive manter o ritmo de queda de 1 ponto porcentual para a próxima reunião, no final de julho.

Na infraestrutura, há elevado interesse dos investidores pelos ativos a serem leiloados. É fundamental que o governo dê continuidade aos leilões, gerando um vetor de retomada para os investimentos, além dos efeitos positivos sobre a produtividade da economia.

Diante de tal cenário, apesar do aumento da instabilidade, ainda há evidências que a economia deve continuar seu processo modesto de recuperação. Aos poucos os investidores percebem que é preciso diferenciar entre processos sérios de investigação e um clima de denuncismo e politização. Na medida em que as expectativas econômicas estiverem vacinadas em relação à política, a retomada prosseguirá.

* ECONOMISTA, SÓCIO DA GO ASSOCIADOS

Mais conteúdo sobre:
Crise Econômica

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.