Incertezas ainda dominam o mercado

Hoje a Bovespa fechou com queda de 0,47%. A máxima do dia bateu em 0,93%, mas chegou a registrar queda de 1,22% na variação mais baixa do dia. O volume de negócios ficou na marca de R$ 714 milhões. A Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de tecnologia - fechou em baixa de 1,71%. Dow Jones seguiu a tendência e registrou queda de 0,74%.Alguns analistas creditaram a queda da bolsa paulista à baixa registrada na bolsa mexicana, que fechou o dia com queda de 4,64%. As incertezas quanto aos rumos políticos do país, que tem eleição marcada para o dia 2 de julho, tiveram forte influência sobre esse cenário.A opinião não é consenso entre os analistas. Outra parte do mercado acredita que a pequena queda é resultado de realização de lucros. Ou seja, são investidores vendendo papéis para embolsar o exorbitante lucro da semana passada. Apenas na quinta e sexta-feira, a Bovespa acumulou uma valorização de 8,46%. Na semana passada , a Nasdaq acumulou valorização de 18,96%.Caso os juros norte-americanos não voltem a registrar elevação nesse mês e os juros no Brasil acompanhem a tendência, a Bolsa pode voltar a registrar entrada de investimentos. Vale lembrar que o preço das ações no Brasil estão abaixo dos patamares justos e isso indica possibilidade de ganhos para o investidor que entrar agora em Bolsa. Mas é preciso cuidado. Investimento em ações exige uma grande dose de tolerância ao risco. As oscilações ainda não dão sinais de trégua. Isso quer dizer que as bolsas podem oscilar para cima ou para baixo com muita rapidez. Para quem busca segurança e garantia de rentabilidade, os fundos DI ainda são a melhor opção. Eles acompanham a variação das taxas de juros. Se não proporcionam altos ganhos, pelo menos oferecem segurança. Dólar sofre pressões e sobe 0,56% A moeda norte-americana superou o patamar de R$ 1,80 e encerrou o dia com alta de 0,56%. A maior cotação do dia chegou a R$ 1,8020. De acordo com o editor Mário Rocha, o dólar subiu muito depois da última elevação da taxa de juros nos Estados Unidos, em 16 de maio. Na última semana, no entanto, caiu e chegou a ser negociado a um patamar inferior a R$ 1,80, como ontem. Operadores afirmam que o mercado ainda está definindo o novo patamar justo para negociações.As incertezas no mercado mexicano também respingaram no mercado de juros. O swap prefixado de um ano fechou pagando juros de 20,37% ao ano para uma base de 252 dias úteis. Ontem, título com a mesma base de comparação, pagou 20,27% ao ano. Mas esses motivos são pretexto para a postura de cautela que o mercado decidiu adotar diante do otimismo comprovado pelas baixas consecutivas dos últimos dias. O dólar oficial divulgado pelo Banco Central ficou hoje em R$ 1,7899 na ponta de venda, registrando queda de 0,19%, em relação ao fechamento de ontem, de acordo com a apuração de Caio Prates. Este valor é a média dos negócios do dia, e foi inferior ao dólar de fechamento desta terça-feira, que representa a média dos últimos negócios. Estes últimos negócios foram fechados a R$ 1,8020 com alta de 0,56% em relação aos últimos negócios de ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.