Incertezas da economia fazem Copom adotar cautela

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada hoje pelo Banco Central, avalia que será necessário acompanhar atentamente a evolução do cenário prospectivo para a inflação até a próxima reunião do Comitê, marcada para 22 de novembro para, só então, definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária. Tal cautela, diz a ata, é necessária "tendo em vista as incertezas que cercam os mecanismos de transmissão da política monetária e os riscos associados aos cenários traçados em cada momento".A ata do Copom avalia que a atividade econômica deverá continuar em expansão mas em ritmo condizente com as condições de oferta, não resultando em pressões significativas sobre a inflação. O BC também avalia que o cenário externo permanece favorável, principalmente no que diz respeito às perspectivas de financiamento para economia brasileira. "Assim, continua se configurando um cenário benigno para a evolução da inflação", diz a ata.O Copom reafirma o diagnóstico das últimas atas de que tanto os resultados recentes da inflação como as projeções de inflação realizadas pelo Banco Central e pelos analistas do setor privado sugerem que, além de conter as pressões inflacionárias de curto prazo, a postura de política monetária adotada desde setembro de 2004 vem contribuindo de maneira importante para a consolidação de um ambiente macroeconômico cada vez mais favorável em horizontes mais longos. O Copom ainda afirma que o principal desafio da política monetária será garantir a consolidação dos desenvolvimentos favoráveis que se antecipam para o futuro. InflaçãoA ata do Copom alerta que os efeitos do reajuste dos preços domésticos dos combustíveis ainda devem ser captados nos indicadores de inflação a serem divulgados nas próximas semanas. O BC espera que tais pressões inflacionárias sejam transitórias, apresentando arrefecimento ao longo do tempo, sem que contaminem horizontes mais longos. O Copom avalia que a elevação da inflação no curto prazo está sendo determinada em grande medida pelos efeitos do reajuste dos combustíveis na primeira quinzena de setembro e pela reversão parcial da dinâmica favorável dos preços dos alimentos observada nos últimos meses e antecipada nas Notas das últimas reuniões do Comitê.O Copom afirma na ata que continuará conduzindo suas ações de forma a assegurar que os ganhos obtidos no combate à inflação até o momento sejam permanentes. Dessa forma, acompanhará atentamente, nos próximos meses, "a evolução da inflação e das diferentes medidas do seu núcleo, discriminando entre reajustes pontuais e reajustes persistentes ou generalizados de preços e adequando prontamente a postura de política monetária às circunstâncias".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.