Incorporadora Cyrela compra a Agra por R$ 1,5 bi

A consolidação das empresas do setor imobiliário listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) teve início efetivamente ontem, com o anúncio da compra da Agra Empreendimentos Imobiliários pela incorporadora de imóveis Cyrela Brazil Realty. O negócio, todo em troca de ações, chega a R$ 1,5 bilhão. ?A Cyrela vai se destacar ainda mais como a maior empresa do setor (no Brasil), com maior banco de terrenos, maior número de lançamentos e valor de mercado?, disse o diretor de Relações com Investidores da Cyrela, Luis Largman.O executivo classificou o banco de terrenos da Agra como complementar ao da Cyrela e elogiou a direção da companhia que está sendo comprada. ?O ''management'' da Agra é muito bom. Vamos aproveitá-lo da melhor forma possível?, disse. O presidente da Agra, Luiz Roberto Horst Silveira Pinto, disse que continuará na nova empresa, mas não revelou que cargo ocupará.Juntos, os bancos de terrenos da Cyrela e da Agra correspondem a um potencial de vendas de imóveis - ou valor global de vendas (VGV), no jargão do setor - de mais de R$ 30 bilhões. A diversificação do banco de terrenos da Cyrela com a compra da Agra é vista como um dos principais ganhos da aquisição para a maior empresa do setor. Enquanto o banco de terrenos da Cyrela é mais concentrado no Sudeste, o da Agra tem forte participação na Região Nordeste, principalmente em Salvador. É justamente o Nordeste a região que tem apresentado as maiores taxas de crescimento, destacam analistas.Questionado sobre o porquê da venda da Agra, já que a empresa não tem problemas de caixa, o presidente da companhia disse que a melhor incorporação é aquela realizada entre duas empresas saudáveis. ?Existe uma sinergia enorme entre as duas empresas?, disse Horst. Ele lembrou que a Cyrela terá volume adicional de construção, pois a Agra é apenas incorporadora, e citou que as ações da Cyrela que serão recebidas pelos acionistas da companhia têm enorme potencial. Haverá também ganhos de escala das companhias em relação aos fornecedores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.