Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Indefinição no preço do frete paralisa comércio da safra de grãos

Segundo cálculos do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, metade da produção do Brasil enfrenta esse problema

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

20 Junho 2018 | 04h00

Dezoito dias após o encerramento da paralisação dos caminhoneiros, a comercialização da safra de grãos segue parada por causa da indefinição do custo do transporte. “Pergunte a qualquer produtor: ele tem soja e milho para vender, mas não vende porque não sabe quanto será o frete”, disse nesta terça-feira, 19, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Como a atual safra começou a ser colhida em janeiro e fevereiro, aproximadamente metade da produção brasileira enfrenta esse problema, segundo seus cálculos.

+ Frete tabelado pode tirar R$ 53 bilhões da economia

O ministro acrescentou que o problema relatado pelo Estado sobre cerca de 60 navios parados em portos brasileiros à espera de carga ainda não foi superado. “O problema continua.”

Fontes do mercado informam que, em comparação com a semana passada, quando o transporte das exportações de soja estava parado, houve alguma melhora. No entanto, a situação ainda não é normal.

+ Sem caminhões, soja lota galpões em Goiás

“O transporte que está ocorrendo é o das empresas que têm contrato com as tradings”, disse o diretor executivo do Movimento Pró-Logística da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Mato Grosso (Aprosoja-MT), Edeon Vaz. Ele explicou que as transportadoras têm frota própria e já tinham contratos assinados para prestar o serviço de transporte para todo o ano. Num primeiro momento, até mesmo essas empresas também interromperam suas atividades, por não saber como seria a aplicação da tabela do preço mínimo do frete nesse caso.

+ Motivo para embargo da EU ao frango brasileiro é disputa comercial, diz Blairo

Esses contratos, porém, cobrem apenas uma parte da produção, segundo explicou Blairo. A soja cuja venda já estava acertada, inclusive com o custo de transporte, segue sendo embarcada. Mas há uma boa parte da produção que ainda não foi comercializada. E não será, enquanto não se souber qual será a despesa com o carregamento.

+ ANTT defende tabelamento de frete e diz que suspensão lançará Brasil no caos

Blairo já se declarou “pessoalmente” contrário ao tabelamento do frete. “Mas o governo tem uma posição”, ressalvou. Ele disse que uma “tabela realista” poderia ser aceita.

Audiência. Hoje, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux realiza uma audiência de conciliação na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) movida pela Associação do Transporte Rodoviário do Brasil (ATR) contra a Medida Provisória (MP) 832, que estabeleceu uma política de preços mínimos para o frete rodoviário. Segundo estimativa da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), a tabela do frete vai elevar custos de transporte em R$ 53,2 bilhões. O governo, porém, tentará manter os preços mínimos, ainda que de forma temporária.

A elevação do custo do frete tem outra consequência sobre a produção nacional. Ela aumenta o custo da ração, principalmente para os criadores do sul do País. “Eles não conseguem mais fechar as contas”, alertou o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.