Indenizações aos pecuaristas do MS começam a ser pagas amanhã

O secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Gabriel Alves Maciel, viaja hoje à noite para o Mato Grosso do Sul e estará amanhã em Eldorado, onde foi detectado o primeiro foco de febre aftosa no rebanho do Estado. Já são 21 focos confirmados da doença no Estado. O secretário dará início ao pagamento das indenizações aos pecuaristas locais que tiveram rebanhos abatidos para conter o foco. No total, o governo federal liberará R$ 10 milhões para dar início às indenizações. Estima-se que este valor será usado para indenizar cerca de 2 mil cabeças. Na sexta-feira, o governo federal liberou por meio da Medida Provisória 265 R$ 33 milhões para o Mato Grosso do Sul e o Paraná. No caso do Paraná, o dinheiro só será liberado com a confirmação dos focos, o que ainda não aconteceu. No total de R$ 33 milhões, R$ 20 milhões serão gastos com as indenizações, R$ 6 milhões para garantir renda aos pecuaristas que tiveram o rebanho sacrificado, mais R$ 6 milhões para ações de controle na fronteira e o restante R$ 1 milhão para outras ações. O dinheiro destinado à garantia de renda dos pecuaristas será usado para compra da produção local, principalmente de leite. As indenizações serão pagas pelo Banco do Brasil e o valor a ser pago aos pecuaristas será o de mercado praticado depois da confirmação dos focos. O Ministério calcula que hoje o valor da arroba no Mato Grosso do Sul é de R$ 45 contra R$ 55 no período que antecedeu o embargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.