Independência compra frigorífico no Paraguai

O frigorífico Independência S.A. comunicou hoje a compra do Frigorífico Guarani S.A., no Paraguai, por US$ 14 milhões, a primeira aquisição da companhia fora do Brasil. A unidade de abate e desossa de bovinos se localiza em Assunção, com capacidade para abate de 500 cabeças por dia, ou aproximadamente 10% do abate total do país vizinho. O Guarani faturou aproximadamente US$ 60 milhões em 2007.O negócio deve ser concluído até setembro deste ano e está sujeito à conclusão de conferência padrão para este tipo de negociação, segundo comunicado ao mercado do Independência. O pagamento será realizado entre 2008 e 2010 e será financiado pelo próprio fluxo de caixa do frigorífico brasileiro. A companhia informou que não assumirá qualquer dívida do Guarani.Segundo o comunicado, "o frigorífico Guarani é um dos líderes do setor no Paraguai e se destaca por ser a única indústria do setor a possuir a certificação ISO 9001 emitido pela SGS, o que se enquadra na filosofia da empresa em focar na qualidade industrial e responsabilidade socioambiental".Com a aquisição, o Independência consegue voltar a vender carne ao Chile, principal mercado do Guarani, mas fechado para as exportações brasileiras desde a ocorrência de focos de febre aftosa no País, em outubro 2005. O Paraguai possui um rebanho de aproximadamente 11 milhões de cabeças, semelhante ao do Estado de São Paulo, e é hoje considerado um país livre de febre aftosa.O Independência tem capacidade atual de abate de 9,5 mil cabeças, produção de 10 mil peles de bovinos por dia e é uma das maiores operadoras de logística refrigerada do País. A companhia tem unidades em sete Estados brasileiros, com 11 plantas de abate e desossa, duas de desossa isoladamente, três curtumes, duas fábricas de charque, cinco módulos de produção de biodiesel, com centros de distribuição nas cidades paulistas de Cajamar (matriz), Itupeva e no Porto de Santos.

GUSTAVO PORTO, Agencia Estado

18 de junho de 2008 | 09h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.