portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Independência faz mais cortes

Em dois dias, já foram anunciadas 4,8 mil demissões

Gustavo Porto, O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2009 | 00h00

O Frigorífico Independência, que pediu recuperação judicial no início deste mês, anunciou ontem o fechamento de mais três unidades e a demissão de 2,8 mil empregados. Na terça-feira, o grupo já havia anunciado o fechamento de duas unidades, com demissão de 2 mil empregados. O Independência encerrou as atividades na unidade de abate e desossa de Confresa (MT), na unidade de produção de charque em Pires do Rio (GO) e na planta de abate e desossa em Nova Andradina (MT). A operação de curtume em Nova Andradina seguirá aberta. A empresa informou ainda que ajustou operações, com demissões, nas unidades em Santana do Parnaíba (SP), Janaúba (MG), Rolim de Moura (RO), além das plantas de Pontes e Lacerda, Juína e Colíder, todas em Mato Grosso. Todas as unidades já estavam sem operações desde o pedido de recuperação judicial.Na terça-feira, já haviam sido encerradas as atividades em Senador Canedo (GO) e em Anastácio (MS). De acordo com comunicado ao mercado do Independência, "os fechamentos e as reduções nessas unidades são parte de um programa de ajuste das operações à realidade do mercado atual, que foi severamente impactado pela menor demanda internacional, pelo excesso de oferta de carne, tanto no mercado doméstico como nas exportações, e pela queda nos preços de venda da carne".Segundo a companhia, esses fatores fizeram com que as operações apresentassem uma margem bruta negativa de dois dígitos nos últimos meses. Assim como nos comunicados anteriores, o Independência informa manter-se "fortemente compromissado em continuar suas atividades e manter suas relações comerciais com seus clientes e fornecedores, à medida que procura adequar suas operações ao ambiente econômico atual". O frigorífico ainda reafirma que se empenhará em manter o mercado informado sobre qualquer novo desenvolvimento em sua situação atual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.