Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Indexação é loucura e inflação está em nível arriscado, diz Nakano

O diretor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Yoshiaki Nakano, ex-secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, considerou "uma loucura" o atual nível de indexação de preços, o que, segundo ele, pressiona ainda mais a inflação. "É muito perigosa a indexação de mais de um terço dos produtos; a inflação de 6% é um patamar arriscado e não poderia ser mais que 2% a 3% ao ano", disse. "Muitos salários são reajustados em 8%, estamos resvalando em uma taxa de inflação perigosa e o fator trabalho, indexado, tem forte influência juntamente com o setor de serviços."

GUSTAVO PORTO, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2013 | 02h06

Política cambial. Nakano participou ontem, em São Paulo, do seminário Internews sobre as perspectivas para a economia brasileira e cobrou uma nova política cambial, com um dólar suficientemente estimulante para que setor privado volte a investir, mas que não seja alta demais por causa da importação de bens de capital. "O valor do câmbio tem de chegar a tentativa e erro. O importante é permanecer num patamar por muito tempo", disse Nakano.

Tripé econômico. Ele negou que essa política para o dólar acabaria com um dos pilares do tripé macroeconômico, o da flutuação cambial. "A flutuação ocorreria para cima. Seria feita ainda uma política de exportação e uma política fiscal para comprimir consumo da população, o que evitaria a inflação", disse o diretor da Escola de Economia da FGV .

Segundo ele, o consumo corrente do governo que teria de ser freado "por três décadas à frente em metade do que cresce o PIB", o que ajudaria a ampliar o investimento. "É fundamental uma lei fiscal que dê horizonte de que o investimento será lucrativo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.