Índia festeja novo presidente do Google

Sundar Pichai é o mais novo destaque do país

EFE

13 de agosto de 2015 | 02h02

Na cidade de Bangalore, considerada o Vale do Silício da Índia pela quantidade de empresas de tecnologia que se instalaram no local, tornou-se motivo de orgulho o fato do posto de novo executivo-chefe do Google ser ocupado por um indiano.

Sentados no complexo RMZ Infinity de Bangalore, que serve como sede para algumas das maiores empresas do setor no país, um grupo de jovens delira quando escuta o nome do novo CEO do Google, o indiano Sundar Pichai, nascido em 1972.

Entre edifícios de vidro, áreas geometricamente ajardinadas e um chão de pedra brilhante, os jovens não escondem que a notícia sobre alguém nascido no Estado de Tamil Nadu e formado pelo Instituto de Tecnologia de Kharagpur, em Bengala Ocidental, foi muito mais do que bem recebida.

"Estamos contentes que um indiano tenha chegado a ser CEO do Google porque é um orgulho para nós que duas grandes empresas, como Microsoft e Nokia, também são lideradas por indianos", disse Arvind Kumar, engenheiro da Synopsys, uma das maiores empresas de tecnologia do país.

Kumar se referia a Satya Nadella, executivo-chefe da Microsoft desde fevereiro do ano passado, e Rajeev Suri, representante máximo da Nokia, dois dos altos dirigentes de companhias de primeira linha em tecnologia e engenharia no mundo.

O Google anunciou na segunda-feira uma reestruturação e nomeou Sundar Pichai, até então chefe de produto da empresa, como o novo executivo-chefe do gigante tecnológico.

A nova nomeação do Google passa a estimular ainda mais essa região indiana, descoberta pela gigante Texas Instruments no início dos anos 80 e que se tornou um ímã para grandes empresas tecnológicas.

Para Bhuvanesh Waran, engenheiro da Quality Assurance, uma empresa especializada em software, a nomeação de Pichai é "uma inspiração".

"Ele vem de uma família de classe média de Tamil Nadu, trabalhou duro e conseguiu. Já sabíamos quem ele era quando ainda trabalhava para a Android Company", disse. "Agora sabemos que os indianos são capacitados e que seremos capazes de ocupar este tipo de posto nos próximos anos."

Em um país conhecido internacionalmente pela formação de engenheiros de informática e que tem no setor tecnológico uma de suas principais ferramentas de presente e futuro, essa nomeação significa uma confirmação de algo que já vem acontecendo há algum tempo.

De acordo com um estudo da rede social profissional Linkedin, divulgado pela revista Forbes, Bangalore foi, em 2014, com 26.453 novos trabalhadores tecnológicos, o segundo maior centro deste recurso humano qualificado em termos globais, atrás do Vale do Silício, com 28.516.

 

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.