coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Indicador Antecedente de Emprego cai em abril, diz FGV

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) recuou 3,0% no mês de abril em relação a março. Foi a menor variação desde agosto de 2011 (-4,2%), considerando dados com ajuste sazonal. "A queda sinaliza um ritmo mais lento de contratações de mão de obra nos próximos meses", informou o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

FERNANDA NUNES, Agencia Estado

13 de maio de 2013 | 08h36

Para esse resultado, os componentes que mais contribuíram foram os indicadores que medem a expectativa do consumidor em conseguir emprego nos meses seguintes, da Sondagem do Consumidor, e o ânimo empresarial para contratação nos próximos meses, da Sondagem da Indústria, ambos com variação de -4,9%. O IAEmp é formado por uma combinação de séries extraídas das sondagens da Indústria, de Serviços e do Consumidor.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) recuou 1,60% em abril, na comparação com o mês anterior, considerando os dados ajustados sazonalmente. "O movimento representa uma acomodação da taxa de desemprego após a alta observada no mês anterior", destacou o Ibre/FGV.

Segundo a FGV, as classes que mais contribuíram negativamente para o recuo do ICD em abril foram a dos consumidores com renda familiar de até R$ 2.100,00, cujo Indicador de Emprego variou -3,3%; e dos que possuem renda familiar entre R$ 4.800,00 e R$ 9.600,00, com queda de 3,0%.

Tudo o que sabemos sobre:
empregoFGVIAEmp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.