Indicador mostra mercado de trabalho fraco nos EUA

O dado sobre pedidos de auxílio-desemprego respaldou o comentário do presidente do Federal Reserve, Alan Greenspan, na terça-feira, de que o mercado de trabalho está "excepcionalmente fraco". O número de norte-americanos que deram entrada a pedidos iniciais do benefício subiu 16 mil, para 442 mil na semana passada, o nível mais alto em cinco semanas, de acordo com dados do Departamento do Trabalho. A média da quadrissemana, que atenua as flutuações semanais, subiu 3 mil, para 430.500. Os números surpreenderam os analistas. O consenso era que houvesse um declínio de 1 mil solicitações. Mas o departamento ressaltou que o aumento dos pedidos deve ser analisado com cautela, uma vez que os dados refletem o movimento da semana que incluiu o feriado do Memorial Day. "Perto de feriados, o dado fica mais volátil. Por esse motivo, essas são semanas que tornam a média da quadrissemana mais confiável para avaliar as condições do mercado de trabalho", disse um estatístico do departamento. Por 14 semanas consecutivas, o número total de solicitações do auxílio está acima do nível de 400 mil, considerado um patamar associado por economistas a um quadro enfraquecido do mercado de trabalho.O relatório mostrou ainda que o número de trabalhadores que sacam o auxílio por mais de uma semana, no entanto, caiu na semana encerrada em 24 de maio - último dado disponível sobre esse movimento. O número de pedidos contínuos recuou em 18 mil, para 3.705.000. Como tradiconalmente faz, o departamento revisou sua estimativa de pedidos iniciais da semana passada, elevando-a em 2 mil, para um total de 426 mil solicitações. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.