Indicadores ainda projetam crescimento em 3,5%, avalia Candiota

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Luiz Augusto Candiota, disse que os indicadores de atividade mais recentes apontam que, embora o ritmo de crescimento tenha diminuído, esses indicadores ainda permanecem consistentes com a projeção do BC de crescimento de 3,5% para este ano.Segundo ele, a produção industrial atingiu seu pico em novembro passado, com crescimento ajustado sazonalmente ? considerando os efeitos temporais ? de 9,6% comparado com junho do ano passado. "Também nós observamos um maior crescimento nos setores de bens semi e não-duráveis", afirmou Candiota durante a conferência sobre economia brasileira, promovida pela Câmara de Comércio Brasil-EUA. Ele afirmou que apesar da recente queda no sentimento dos consumidores, as vendas no varejo não parecem ter sido afetadas. "A tendência atual da atividade econômica tem sido totalmente consistente com os ciclos habituais de recuperação econômica observados no passado. Diversos indicadores líderes e coincidentes confirmam nossa avaliação em relação a uma tendência positiva da atividade", destacou Candiota.Ele citou os dados de produção de papel de embalagem e da indústria automobilística, que segundo ele, ainda estão sustentando essa tendência de alta da atividade iniciada no passado. Ele também disse que os ganhos médios reais têm crescido pelo segundo mês consecutivo. Cenário de desempregoIndagado sobre quando os dados de emprego poderiam mostrar a mesma recuperação do que a produção industrial e as vendas no varejo, Candiota admitiu que nas regiões metropolitanas de fato tem havido aumento do desemprego. "Por outro lado, quando se olha o componente total, na realidade, teve criação de emprego do início do ano para cá. Portanto, o emprego está se recuperando, o que é um dado importante da atividade econômica", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.