coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Indicadores dos EUA puxam altas na Ásia

Coreia do Sul e de Taiwan fecharam em alta. Sydney e Xangai ficaram bem perto da estabilidade

29 de maio de 2013 | 10h12

Os mercados de ações da Ásia fecharam majoritariamente em alta nesta quarta-feira, com resultados positivos de indicadores norte-americanos puxando para cima os pregões da Coreia do Sul e de Taiwan. Por outro lado, as sessões em Sydney e Xangai ficaram bem perto de terminarem estáveis, com variação de poucos pontos.  

Na terça-feira, o índice de confiança do consumidor dos EUA medido pelo Conference Board saltou para o nível mais alto desde fevereiro de 2008. No setor imobiliário, a S&P/Case-Shiller divulgou índices que mostraram alta superior a 10% nos preços dos imóveis nas regiões metropolitanas dos EUA.

Os resultados elevaram o sentimento do mercado, levando o índice Kospi, da Bolsa de Seul, para uma alta de 0,8%, aos 2.001,20 pontos. Os exportadores na Coreia do Sul obtiveram uma sessão positiva, com a Samsung Electronics subindo 0,9% e a Hyundai Motor avançando 1,2%. 

A Bolsa de Taipé também terminou em alta. O índice Taiwan Weighted subiu 0,9%, para 8.337,90 pontos, com avanço em grande parte das ações pesos pesados. A TSMC ganhou 1,4% e a Hon Hai subiu 1,7%.

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 fechou aos 4.974,7 pontos, com alta de apenas quatro pontos, em meio uma forte migração de ações de bancos para mineradoras. O Goldman Sachs rebaixou a recomendação para as ações de bancos para "underweight" (desempenho abaixo da média do mercado) e elevou a das mineradoras para "overweight" (desempenho acima da média do mercado).

Com isso os grandes bancos listados em Sydney caíram entre 1,8% e 2,5%, enquanto as mineradoras, incluindo a BHP, Rio Tinto e Fortescue, avançaram entre 2,6% e 4.1%.

No entanto, os traders estão céticos sobre a durabilidade do apetite dos investidores por mineradoras, uma vez que os preços das commodities estão caindo por causa da força do dólar e a desaceleração da economia da China. 

As ações na China fecharam com pouca variação, uma vez que os ganhos em montadoras foram compensados por quedas em blue chips, que caíram com realização de lucros. O índice Xangai Composto subiu 2,70 pontos, para 2.324,02 pontos, e o índice  Shenzhen Composto ganhou 0,6%, terminando o pregão em 1.042,60 pontos.

Segundo analistas, as preocupações com o crescimento econômico chinês pode evitar que investidores construam posições em blue chips como mineradoras de carvão e empresas que trabalham com metais.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) no início desta quarta-feira se juntou a uma série de economistas ao reduzir as expectativas para o crescimento da China, uma perspectiva que levantou questões sobre se Pequim deve voltar a tomar medidas de estímulo para sustentar a economia.

Já em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 1,6%, para 22.555 pontos, com realização de lucros após altas recentes. Segundo especialistas, o mercado amplo está agora em modo de consolidação, na ausência de grandes novidades em movimentos de mercado, disse Mark To, chefe de pesquisa da Wing Fung Financial Group. Em Manila, o índice PSEi subiu 1,62%, para 7.228,57 pontos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.