Indicadores dos EUA trazem cautela para mercados

Os analistas começaram a trabalhar no início da tarde com a possibilidade de a economia dos EUA estar em estagflação, que caracteriza um país marcado pela estagnação das atividades econômicas e da produção, e pela inflação dos preços.O termo voltou ao noticiário com os dados divulgados pela Associação dos Gerentes de Compra (NAPM) dos EUA, que informou que seu índice de atividade industrial de janeiro caiu para 41,2, em janeiro, o nível mais baixo desde março de 1991. Os títulos do Tesouro norte-americano devolveram parte dos ganhos registrados no início da manhã, após a divulgação do dado ter reforçado a impressão de que há uma recessão em toda a economia norte-americana. Pela manhã, o juro projetado pelo T-Bond de 30 anos estava em 5,4601%, após oscilar entre 5,4470% e 5,4900%.No mercado acionário, o índice Nasdaq atingiu a mínima da manhã, de 2.742,44 pontos, momentos depois da divulgação do dado da NAPM. Às 13h49 (de Brasília), o Nasdaq situava-se em 2.776 pontos, com alta de 4 pontos (+0,15%). O índice Dow Jones estava em alta de 29 pontos (+0,26%), em 10.916 pontos.A redução das taxas de juro favoreceu o euro, que atingiu a máxima de US$ 0,9446 nesta manhã, após fechar ontem em US$ 0,9370. A moeda variou entre US$ 0,9370 e US$ 0,9446 pela manhã. Nas trocas de dólares por ienes, a divisa norte-americana também desvalorizou-se e era cotada a 115,36 ienes, também abaixo dos 116,68 ienes do fechamento de ontem. A mínima do dólar foi de 115,22 ienes e a máxima de 116,74 ienes.O petróleo estava em queda, independente de ser hoje o primeiro dia de corte da produção da commodity pela Opep. Os preços do produto já tinham ajustado esse corte da oferta. No começo da tarde, o petróleo cru para março recuava US$ 0,06, para US$ 28,57 o barril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.