finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Índice Big Mac sugere desvalorizaçào do Real

O índice Big Mac, da revista britânica The Economist, sugere que o real está subvalorizado em cerca de 40% frente ao dólar. O índice é calculado com base no conceito de paridade do poder de compra, comparando o preço cobrado por um sanduíche Big Mac em um determinado país, convertido em dólares à taxa cambial de mercado naquela data, ao preço médio praticado em quatro grandes cidades norte-americanas (Atlanta, Chicago, Nova York e San Francisco). Pelo critério do índice Big Mac, preços em dólar acima dos praticados nos EUA sugerem que uma moeda está sobrevalorizada em relação ao dólar. Se, pelo contrário, os preços estão abaixo dos norte-americanos, a moeda está valendo pouco em relação ao dólar. A pesquisa de preços divulgada na última edição da The Economist foi feita em 8 de janeiro. Os dados indicam que o Big Mac custa US$ 2,55 nos EUA e o equivalente em reais a US$ 1,51 no Brasil, o que indica que o real está subvalorizado em cerca de 40%. Entre os preços citados na pesquisa estão Reino Unido (US$ 2,99), Japão (US$ 2,53), Argentina (US$ 2,50), zona do euro (US$ 2,44), México (US$ 2,15), Rússia (US$ 1,39) e China (1,20). Índice Big Mac não é representativoO índice Big Mac surgiu como uma curiosidade da revista britânica, tendo sido adotado como referência, informalmente, pelo mercado. Apesar de ter um significado real, carece de uma metodologia científica que amplie sua aplicação. Ele é muitas vezes citado, mas com ressalvas, pois abrange um só produto, mesmo que presente em vários países do mundo, sendo sujeito a distorções.

Agencia Estado,

15 de janeiro de 2001 | 19h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.