Índice de atividade da Argentina sobe 0,9% em abril

A atividade econômica da Argentina continuou a mostrar vigor em abril com uma expansão de 0,9% em comparação com março e crescimento de 9,0% na comparação anual, de acordo com a estimativa mensal divulgada pela agência nacional de estatística (Indec). Se esses dados estiverem certos, eles sugerem não ter havido qualquer efeito significativo sobre a economia mais ampla das greves e bloqueios de rodovias da crise envolvendo o setor agrícola, que se arrasta há três meses. O número do Indec ficou acima da previsão de consenso dos economistas da última pesquisa do banco central argentino, que era de um crescimento anual de 8,4% em abril. O desempenho de abril pode ter sido ajudado pela restauração de certas atividades naquele mês, quando os fazendeiros suspenderam temporariamente os bloqueios realizados em março. Contudo, havia expectativas de que a ruptura na cadeia de abastecimento ocorrida em março teria um impacto no indicador de abril. De fato, o crescimento de 1,2% na atividade em março em comparação com fevereiro pareceu indicar que o impacto dos protestos ainda não tinha aparecido no indicador de março, mês no qual os fazendeiros iniciaram os protestos contra a elevação do imposto sobre exportação de grãos.Desde a intervenção do governo no Indec no início de 2007, existem suspeitas de manipulação dos indicadores econômicos argentinos, especialmente no dado de inflação. As informações são da Dow Jones.

SUZI KATZUMATA, Agencia Estado

25 de junho de 2008 | 17h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.