Índice de cheques devolvidos tem 2ª maior marca histórica

O índice de cheques devolvidos por falta de fundos, medido pela Serasa, apresentou elevação em maio no Brasil e atingiu a segunda maior marca desde 1991, quando a empresa criou o indicador. Conforme levantamento divulgado nesta quinta-feira, houve aumento de 1,05% ante o índice de abril e crescimento de 17,1%, na comparação com maio de 2004.Em maio de 2005, foram compensados 170,1 milhões de cheques, sendo que 3,27 milhões voltaram por falta de fundos, o que correspondeu a um índice de 19,2 cheques devolvidos a cada mil, inferior apenas à marca de março de 2005, quando o indicador foi de 20,8 cheques por mil.Em abril deste ano, foram compensados 155,7 milhões de cheques e 2,96 milhões devolvidos, com índice de 19,0 a cada mil. Já em maio de 2004, foram devolvidos 2,85 milhões de cheques sem fundos, de um total de 174,1 milhões de compensados, em todo o País, o que correspondeu a um indicador de 16,4 cheques a cada mil.O estudo da Serasa mostra que, no acumulado dos primeiros cinco meses de 2005, foram compensados 817,9 milhões de cheques, dos quais 14,78 milhões voltaram por insuficiência de fundos. De janeiro a maio, o índice de cheques sem fundos, a cada mil compensados, atingiu o nível de 18,1. O índice significou alta de 11,7% em relação ao mesmo período de 2004, que registrou 16,2 cheques devolvidos a cada mil compensados, após o número de cheques compensados totalizar 871,6 milhões, contra 14,16 milhões de cheques devolvidos.Os técnicos da empresa de análise de crédito explicaram que o movimento de alta foi provocado pelo desemprego ainda elevado, pela estagnação na renda média real e pelo aumento dos reajustes de preços no varejo. "A alta nas taxas de juros e o crescente endividamento da população, por conta da expansão do crédito, também contribuíram para o resultado", acrescentaram os analistas da Serasa, salientando que a ausência de processos estruturados no recebimento de cheques, pelo comércio, é também razão para o aumento no volume de cheques sem fundos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.