Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Índice de Clima Econômico da América Latina recua em janeiro

Segundo pesquisa, queda está associada principalmente a uma piora no Índice de Expectativas (IE)

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

20 de fevereiro de 2008 | 08h42

O Índice de Clima Econômico (ICE) da América Latina - elaborado em parceria entre o Instituto alemão Ifo e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) - recuou para 5,2 pontos em janeiro deste ano. Em outubro de 2007, na última divulgação desse indicador, o índice estava em 5,6 pontos. Segundo o documento de divulgação da pesquisa, a queda está associada principalmente a uma piora no Índice de Expectativas (IE), que reduziu-se de 4,7 em outubro para 4,1 pontos em janeiro.       Veja também:     Íntegra da pesquisa da FGV Ainda segundo a FGV, o Índice da Situação Atual (ISA) manteve-se relativamente estável, já que foi de 6,4 pontos, em outubro de 2007, e 6,3 pontos, em janeiro de 2008.  Os técnicos da FGV explicaram que a crise desencadeada pelo mercado de crédito imobiliário nos Estados Unidos tem levado a um intenso debate sobre os seus possíveis efeitos na economia mundial. No caso da América Latina, de acordo com a pesquisa, a situação atual permanece relativamente imune aos efeitos da crise. "Há uma piora nas expectativas, em janeiro, mas o maior impacto negativo ocorreu em outubro. Logo, não pode ser descartada a hipótese de contágio da crise, mas essa tenderia a ter um efeito relativamente menor do que em outras crises."       A Sondagem Econômica da América Latina serve ao monitoramento e antecipação de tendências econômicas, com base em informações prestadas trimestralmente por especialistas nas economias de seus respectivos países, informa a FGV. Para esta sondagem, foram ouvidos, em janeiro de 2008, 124 especialistas em 16 países. Países Brasil, Costa Rica e Peru apresentaram nenhuma ou uma variação mínima no Índice de Clima Econômico (ICE) de janeiro, em relação a outubro de 2007, segundo a FGV. No caso do Brasil, o indicador passou de 6,5 pontos em outubro para 6,4 pontos em janeiro.Ainda no Brasil, o Índice da Situação Atual (ISA) de janeiro é igual ao de outubro (7,5 pontos) e houve queda no Índice de Expectativas (IE, de 5,5 pontos em outubro para 5,2 pontos em janeiro).Em janeiro, de acordo com a FGV, o ICE aumentou somente em dois países: Argentina (de 4,3 pontos em outubro para 5,0 pontos em janeiro) e no Paraguai (de 5,0 para 6,4 pontos).Na Argentina, segundo o documento de divulgação da pesquisa, o resultado é atribuído a uma melhora na avaliação da situação atual, pois o IE continua "extremamente pessimista", de 2,6 pontos. No Paraguai, o ISA ficou estável (7,0 pontos) e houve melhora no IE (3,0 pontos em outubro para 5,7 pontos em janeiro), associado a expectativas de melhor desempenho das exportações.De acordo com a pesquisa, Equador, México e Venezuela continuam numa trajetória de piora das condições econômicas. Todos estes países registraram ICEs abaixo de 5, indicando avaliação ruim/péssima do clima econômico. O Chile, embora com ICE de 5,3 pontos, pode ser incorporado a esse grupo. O ICE de janeiro no país ficou abaixo da média histórica (6,2 pontos) caindo 1,3 ponto entre outubro de 2007 e janeiro de 2008. No Uruguai, o ICE caiu de 8,4 pontos em outubro para 7,7 pontos em janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.