Índice de confiança consumidor cresce 1,5% em outubro

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou hoje pela primeira vez o Índice de Confiança do Consumidor, indicador realizado a partir das informações da Sondagem das Expectativas do Consumidor. A sondagem é um levantamento da FGV divulgado desde outubro de 2002, com periodicidade trimestral até julho de 2004, quando passou a ser mensal. De acordo com a FGV, o Índice de Confiança do Consumidor cresceu 1,5% em outubro ante setembro.A instituição esclareceu que o indicador é composto de cinco quesitos contidos na sondagem das expectativas do consumidor - que capta, ao longo do tempo, o sentimento do consumidor a respeito de temas como a situação econômica atual e futura do País e da família, mercado de trabalho, consumo de bens duráveis e preços. Ao comentar sobre o resultado de outubro, a FGV informa que o desempenho do indicador foi influenciado pela "evolução favorável" das expectativas do consumidor em relação aos próximos meses. O Índice de Expectativas, que é um indicador composto por três dos cinco quesitos que compõem o Índice de Confiança, subiu 2,9% em outubro ante setembro. Já o Índice da Situação Atual caiu 0,7% no mesmo período. A FGV informou que piorou a avaliação do consumidor em relação à situação financeira atual de sua família. A parcela dos que classificam como boa a situação familiar atual caiu de 18,5% em setembro para 18,3% em outubro. Além disso, subiu de 20,7% para 21,7% a participação de consumidores entrevistados que classificam o momento como "ruim" para situação financeira atual. Porém, subiu de 23,8% para 28,3%, de setembro para outubro, a parcela dos entrevistados que acreditam em melhora na situação econômica do País no futuro; sendo que a participação dos que acreditam em piora caiu de 21,3% para 16,2%. O levantamento consultou 2.031 consumidores entre os dias 1 a 21 de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.