Índice de confiança do argentino cai após de 4 meses de alta

O índice de confiança do consumidor argentino caiu 1,2% em agosto, comparando com julho último, revertendo os aumentos anteriores de quatro meses consecutivos. A queda foi impulsionada pela piora das expectativas em relação à situação macroeconômica da Capital Federal. Por outro lado, o panorama no interior do país e na Grande Buenos Aires é positivo, já que a queda registrada em julho reverteu-se, conforme pesquisa realizada pelo Centro de Investigação em Finanças (CIF) da Universidade Torcuato Di Tella. O índice que mede o nível de confiança tem uma relação direta com a distinta situação econômica e política vivida pelos argentinos. Desta maneira, se observou que o índice nacional foi arrastado pela forte queda do sub-índice da Capital Federal , que diminuiu 8,9% em comparação com julho, um período onde reina a incerteza sobre a evolução do futuro político. No entanto, o sub-índice de confiança para o interior do país aumentou 2,6%, enquanto que o correspondente à Grande Buenos Aires apresentou uma variação positiva de 4,7%, "devido ao aumento no número de pessoas que acreditam que este é um bom momento para a compra de bens duráveis e imóveis", conforme explicou o diretor do CIF, Martín González Rozada.

Agencia Estado,

15 de agosto de 2003 | 13h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.