Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Índice de endividados sobe para maior nível desde março

O número de consumidores da capital paulista que possuem algum tipo de dívida voluntária (cheque especial, cartão de crédito, empréstimo pessoal ou prestações em geral) totalizou 62% dos entrevistados em outubro, segundo estudo divulgado nesta terça-feira pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). O resultado representa aumento de 7 pontos porcentuais sobre o mês anterior e de 3 pontos sobre outubro de 2005. Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da entidade, o resultado atingiu o maior nível desde março deste ano, quando 64% dos entrevistados estavam endividados. O recorde de 2006, de 67%, pertence ainda a fevereiro.Quanto ao porcentual daqueles que possuem contas em atraso, o levantamento da Fecomercio-SP também apontou crescimento, de 6 pontos, passando de 35%, em setembro, quando atingiu o menor nível desde dezembro de 2004, para 41% em outubro. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o resultado permaneceu estável. Ainda assim, é o maior nível desde abril de 2006, quando atingiu 45%, recorde deste ano.Na avaliação da entidade, o movimento de alta, tanto entre os endividados como entre os inadimplentes, ocorreu diante da diluição do efeito da primeira parcela do 13º salário para aposentados e pensionistas, ao longo do mês de setembro, e das compras do Dia das Crianças, no mês de outubro. "As compras parceladas do Dia das Crianças, apesar de não ser uma data muito representativa em termos de faturamento para o varejo, favorecem o aumento das dívidas", afirmou, em comunicado à imprensa, o presidente da Fecomercio-SP, Abram Szajman. "Vale destacar ainda que o aumento do rendimento médio real verificado nos últimos meses parece ser insuficiente para compor os gastos dos endividados", acrescentou.De acordo com Szajman, a tendência é de que o endividamento se eleve, uma vez que faltam dois meses para o Natal. "Contudo, será importante atentar para o limite de endividamento desses consumidores e para a entrada de recursos do 13º salário", frisou.A Fecomercio-SP destacou que, na comparação entre outubro e setembro, o único indicador a melhorar foi o de comprometimento da renda dos endividados: 34% ante 36% de setembro.Em outubro, por sua vez, aqueles que declararam a intenção de pagar total ou parcialmente suas contas em atraso caiu 8 pontos porcentuais, de 72% para 64%. Já a parcela dos que informaram não poder quitar seus compromissos avançou 9 pontos, de 27% para 36%.Quanto ao prazo médio de endividamento, para 19% dos consumidores ele é inferior ou igual a três meses. Para 47%, varia de três meses a um ano. Por fim, 34% informaram que o intervalo é superior a 12 meses.A Peic é apurada mensalmente pela Fecomercio-SP desde 2004. Os dados são coletados junto a cerca de mil consumidores no município de São Paulo.

Agencia Estado,

24 de outubro de 2006 | 13h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.