Índice de inflação semanal da FGV registra alta de 0,18%

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) ficou em 0,18% na semana encerrada em 18 de agosto, segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou dentro da previsão dos analistas ouvidos pela Agência Estado (entre 0,15% a 0,35%). Esta é a segunda desaceleração sofrida pelo IPC-S no mês de agosto, registrando o fim do efeito das tarifas públicas, principalmente da telefonia fixa, segundo a fundação. Dos sete grupos que compõem o índice, quatro apresentaram desaceleração de preços na comparação com resultado do IPC-S da semana encerrada em 12 de agosto (que foi de 0,27%). É o caso de Alimentação (que passou de 0,25% para 0,45%); Habitação (que passou de 1,19% para 0,90%); Saúde e Cuidados Pessoais (que passou de 0,32% para 0,31%) e Despesas Diversas (que passou de 1,39% para 1,18%). Os outros grupos apresentaram aceleração de preços, como Vestuário (que passou de -0,66% para -0,54%); Educação Leitura e Recreação (que passou de 0,17% para 0,28%) e Transportes (que passou de -0,76% para -0,46%). A FGV informa que a desaceleração mais expressiva ocorreu no grupo Habitação. Por sua vez, Alimentação continua "em tendência de desaceleração", segundo o instituto. Do 20 itens componentes deste grupo, 14 sofreram desaceleração em suas taxas. Por produtos, as altas mais expressivas foram registradas nos preços de telefone residencial (4,24%), eletricidade residencial (2,27%) e mamão papaya (10,27%). Por regiões, das 12 capitais pesquisadas, nove apresentaram desaceleração em suas taxas. A taxa máxima, de 0,86%, foi registrada em Belém (PA). A taxa mínima, de queda de 0,08%, foi verificada em Recife.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.