Índice de Preços ao Consumidor da FGV recua 0,11% na 3.ª medição de julho

Tarifa de ônibus fez o item Transportes registrar o maior decréscimo dentro do IPC-S, de -0,44% para -0,80% 

Renan Carreira, da Agência Estado,

23 de julho de 2013 | 08h29

 SÃO PAULO - O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) recuou 0,11% na terceira quadrissemana de julho, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou 0,18 ponto porcentual abaixo do registrado na segunda quadrissemana de julho, quando o índice subiu 0,07%.

Sete das oito classes de despesas analisadas para o cálculo do IPC-S apresentaram decréscimo em suas taxas de variação de preços, na passagem da segunda para a terceira quadrissemana deste mês. A principal contribuição para o recuo da taxa do índice partiu do grupo Transportes (-0,44% para -0,80%). Nesta classe de despesa, vale destacar o comportamento do item tarifa de ônibus urbano, cuja taxa passou de -1,59% para -3,07%.

Também registraram decréscimo em suas taxas de variação os grupos Alimentação (de -0,23% para -0,42%), Habitação (de 0,49% para 0,36%), Vestuário (de -0,03% para -0,54%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,38% para 0,35%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,31% para 0,23%) e Comunicação (de 0,19% para 0,12%).

Em contrapartida registrou acréscimo em sua taxa de variação o grupo Despesas Diversas (0,27% para 0,29%). Nesta classe de despesa, o destaque partiu do item serviço religioso e funerário, cuja taxa passou de 0,78% para 1,02%.

Lidera a lista das maiores influências negativas no IPC-S o item tomate (de -23,32% para -31,66%), seguido por tarifa de ônibus urbano (de -1,59% para -3,07%), mamão papaya (de -21,26% para -26,01%), feijão-carioca (de -4,56% para -6,74%) e cenoura (de -21,84% para -13,96%).

Já as maiores influências positivas partiram dos itens refeições em bares e restaurantes (de 0,85% para 0,74%), leite tipo longa vida (de 5,03% para 5,72%), aluguel residencial (de 0,63% para 0,67%), plano e seguro de saúde (que repetiu a taxa de 0,62%) e sanduíches (de 1,10% para 1,08%).

Tudo o que sabemos sobre:
inflacao

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.