Índice de sensação de inflação sobe 15,46% no Rio

O Índice de Sensação de Inflação no município do Rio de Janeiro apresentou alta de 15,46% em fevereiro ante o mês anterior, em comparação com a elevação de 36,23% registrada em janeiro, ante dezembro. O indicador é calculado Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ). Em fevereiro do ano passado, o índice apresentava alta de 31,79% ante o mês anterior. Para o coordenador do Núcleo Econômico da Fecomércio-RJ, Luis Otávio de Souza Leal, os resultados são positivos. "A alta registrada em fevereiro, bem menor do que a de janeiro, mostra que a maior parte do impacto dos aumentos de preços do final do ano passado e início deste ano já ficou para trás, na percepção dos consumidores", afirmou o analista, em comunicado da instituição. Ao analisar os sub-indicadores da formação do índice, que são o Índice Financeiro e o Índice de Volume, que podem variar entre 0 e 100, a Fecomércio informa que a alta do Índice de Sensação de Inflação se deu porque o Índice de Volume subiu menos que o Índice Financeiro. "É um bom sinal, pois mostra que o consumidor não está retraindo seu consumo, reforçando a idéia que, com a queda mais intensa dos preços dos alimentos, o índice de março deve reverter a tendência de alta dos últimos dois meses", explica Luis Otávio de Souza Leal. O Índice Financeiro passou de 69,13 pontos em janeiro para 75,81 pontos em fevereiro e o Índice de Volume passou de 40,68 pontos para 42,96 pontos no mesmo período. A organização explica que, no caso do Índice Financeiro, a alta representa prejuízo ao consumidor. Porém, em relação ao Índice de Volume, o aumento neste indicador representa aumento de consumo, o que é positivo, na avaliação da instituição.

Agencia Estado,

11 Março 2004 | 11h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.