Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Índice do setor manufatureiro sobe na China, aliviando temores

O vasto setor manufatureiro da China cresceu moderadamente em outubro, após três meses de contração, refletindo a resiliência da demanda doméstica, que deve aliviar temores de que haja uma desaceleração abrupta na segunda maior economia do mundo.

REUTERS

24 de outubro de 2011 | 07h29

O índice preliminar HSBC, criado para fazer uma análise antecipada da atividade das fábricas, subiu de 49,9 em setembro para 51,1 em outubro. A leitura ficou acima de 50, indicando expansão pela primeira vez desde junho, quando o índice estava em 51,6.

A pesquisa também mostrou que as pressões inflacionárias diminuíram, com o componente de preços de insumos caindo de 58,8 em setembro para 54,3 neste mês.

"Graça à retomada nas novas encomendas e na produção, o índice preliminar se recuperou para voltar ao território positivo durante outubro, marcando um começo estável para as atividades manufatureiras no quarto trimestre", disse Qu Hongbin, economista do HSBC para a China.

"Enquanto isso, os componentes de inflação dentro do índice confirmaram crescimento estável dos preços ao consumidor e uma inflação mais lenta de insumos. Todos esses dados confirmam nossa opinião de que não há risco de desaceleração abrupta na China", avaliou.

Os componentes de novas encomendas e novas encomendas de exportação superaram a marca de 50 em outubro. Dadas as perspectivas globais negativas, porém, ainda parece muito cedo para determinar se a recuperação da demanda externa pode ser sustentada.

(Reportagem de Kevin Yao)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINAPMI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.