Índice europeu de ações sobe 2,9% e recupera patamar de 1 mil pontos

O principal índice europeu de ações teve expressiva alta nesta quinta-feira e voltou aos 1 mil pontos no fechamento da sessão pela primeira vez em mais de uma semana, com investidores aliviados após a China negar que pretenda rever seus investimentos em bônus da zona do euro.

REUTERS

27 de maio de 2010 | 14h02

Os bancos, que têm sido os mais afetados pelas preocupações com a crise fiscal da zona do euro, estenderam a valorização do pregão anterior e foram os líderes de ganhos.

HSBC e Barclays subiram 2,7 por cento e 4 por cento, respectivamente.

O índice FTSEurofirst 300 fechou com alta de 2,91 por cento, aos 1.000,46 pontos, no maior nível em mais de uma semana, mas ainda acumula baixa de 10,1 por cento desde meados de abril, quando começou a escalada do temor com a Europa.

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em alta de 3,12 por cento, a 5.195 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 3,11 por cento, para 5.937 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 avançou 3,42 por cento, para 3.525 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 4,54 por cento, para 19.631 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 apresentou alta de 3,23 por cento, para 9.334 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 encerrou com oscilação positiva de 3,57 por cento, para 7.088 pontos.

(Reportagem de Joanne Frearson)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUROPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.