Índices asiáticos sobem apesar de terremoto, petróleo recua

Os preços do petróleo recuaram anteos recentes recordes nesta terça-feira por dados mensaismostrando uma queda nas importações chinesas, mas as principaisbolsas asiáticas tiveram alta conforme os bancos ganhavam forçagraças a novos sinais de que o pior da crise de crédito játenha ficado para trás. O terremoto na segunda-feira, que matou aproximadamente 12mil pessoas no sudoeste da China, afetou as ações em Xangai eenfraqueceu o iuan. As pressões inflacionárias vindas dos crescentes custos dospreços dos alimentos e energia e dos desdobramentos da criseglobal de crédito têm estado entre as maiores preocupações dosinvestidores asiáticos este ano e, apesar do tom positivo dodia, pouco mudou em relação a isso na sessão Às 7h58 (horário de Brasília) o índice MSCI da ÁsiaPacífico exceto Japão tinha alta de 0,62 por cento, aos 489pontos, próximo ao fim dos negócios. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio avançou 1,53 por cento,para 13.953 pontos. Na Coréia do Sul o mercado subiu 1,05 por cento, para 1.842pontos após feriado na véspera. Em Hong Kong o índice Hang Seng teve valorização de 1,95por cento, para 25.552 pontos. Analistas atribuem a queda no preço do petróleo a umarealização de lucros após dados na segunda-feira mostrando umaqueda nas importações chinesas da commodity em abril na China. Somente este mês o preço do barril subiu 15 por cento naesteira das notícias sobre problemas no fornecimento. A exceção do dia foi a China, que viu seu principal índicecair 1,5 por cento pela incerteza acerca das conseqüências doterremoto. "Ne geral, o impacto de terremoto nos mercados deve sertemporário, enquanto o aperto na posição monetária deve terconseqüências mais longas", afirmou o economista Jin Dehuan, daShanghai Securities and Futures Institute.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.