Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Índices de inflação são destaques da agenda da semana

FGV divulga nesta segunda a taxa de inflação apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal

Francisco Carlos de Assis e Flavio Leonel, da Agência Estado,

23 de novembro de 2008 | 12h04

A agenda de indicadores econômicos domésticos para a última semana de novembro - entre os dias 24 e 28 - está repleta, com destaque para diversos índices de inflação. Na segunda-feira,24, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informará a taxa de inflação apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) na terceira quadrissemana de novembro. Na medição anterior, o indicador fechou em 0,56% depois de ter subido 0,58% na primeira parcial do mês.   Na manhã do mesmo dia, o Banco Central divulga as expectativas dos analistas do mercado financeiro para os principais indicadores macroeconômicos no âmbito da Pesquisa Focus. Dado o avançado do ano, as atenções estão todas voltadas para as medianas das projeções para 2009. Inflação, câmbio, juros e PIB encabeçam a lista dos indicadores mais olhados pelos analistas.   Ainda na segunda-feira, o BC também informará o saldo da conta corrente brasileira no mês de outubro. As expectativas dos analistas do mercado financeiro para esta variável é de um déficit de US$ 2,900 bilhões a US$ 1,700 bilhão. Em setembro, a conta corrente já havia fechado no vermelho, com um buraco de US$ 2,769 bilhões. No mesmo levantamento será conhecido o montante de recursos que ingressaram no País no período a título de Investimentos Estrangeiros Diretos (IED). Para este indicador, as expectativas apontam para uma entrada de US$ 3,200 bilhões a US$ 3,900 bilhões. No mês anterior, o Brasil abrigou US$ 6,258 bilhões em investimentos diretos.   Encerrando a agenda da segunda-feira, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) informar o saldo da balança comercial referente à terceira semana de novembro. Na segunda semana, a diferença entre as exportações e as importações brasileiras foi um saldo de US$ 734,000 milhões.   Para a terça-feira, 25, está prevista apenas a divulgação da taxa de inflação na cidade de São Paulo referente à terceira quadrissemana do mês, segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Na segunda medição do mês, o IPC-Fipe registrou um aumento médio de 0,58% nos preços na capital paulista. A taxa ficou praticamente idêntica à apurada na primeira quadrissemana, que foi de 0,57%.   Na quarta-feira , 26, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informará a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para o período de 16 de outubro a 15 de novembro, o IPCA-15. Espécie de prévia do IPCA fechado, que ampara o regime de metas de inflação do País, o IPCA-15 fechou em 0,30% em outubro. O IPCA fechado daquele mês ficou em 0,45%.   Para a quinta-feira, 27, estão programadas duas divulgações. A FGV anunciará a inflação de novembro medida pelo IGP-M. Em outubro esse indicador registrou uma alta de 0,98%. Se for tomar como base a variação do IGP-10 deste mês, que fechou em 0,73%, a tendência é a de o IGP-M fechar um pouco mais baixo que em outubro. No mesmo dia, o Tesouro Nacional divulgará o resultado fiscal do Governo Central (Banco Central, Tesouro Nacional e INSS) referente a outubro - em setembro, houve superávit de R$ 6,000 bilhões neste mesmo levantamento.   No dia seguinte, na sexta-feira, 28, o Banco Central fecha o calendário da semana. A autoridade monetária informará o saldo fiscal do setor público consolidado, que incluem as contas do Governo Central, Estados, municípios e estatais federais. Em setembro, o superávit primário do setor público atingiu a marca de R$ 10,005 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.