Estadão
Estadão

Índices mostram piora da economia

Indicadores da indústria, comércio e serviços apontam para quadro de retração cada vez maior; PIB do 1º trimestre pode ter queda de 2%

Márcia De Chiara, Luiz Guilherme Gerbelli, O Estado de S. Paulo

01 de abril de 2015 | 22h07

Uma série de indicadores da indústria, do comércio e do setor de serviços mostra que a economia real está se deteriorando rapidamente no 1º trimestre, movimento que deve continuar nos próximos meses, de acordo com a tendência apontada pelos indicadores de confiança. Os índices de confiança, que refletem a situação atual e as expectativas futuras, encerraram março nos menores níveis desde 2008/2009.

Depois de uma ligeira recuperação em janeiro, a produção industrial de fevereiro, divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE, caiu 9,1%, e as vendas de vários setores que são indicadores antecedentes, como veículos e o comércio varejista paulista, encerraram março no vermelho. Esse resultado negativo pode levar a uma retração ainda maior do Produto Interno Bruto (PIB) já no 1.º trimestre.

A Tendências Consultoria Integrada, por exemplo, deve aumentar de 1% para 2% a estimativa de queda para o PIB entre janeiro e março em relação ao último trimestre de 2014. E a expectativa para o ano é de um recuo de 1,4%. “A sinalização é de que não há nenhum gatilho que sinalize a retomada de confiança”, diz Rafael Bacciotti, economista da consultoria.

Na avaliação do economista-chefe da LCA Consultores, Braulio Borges, os indicadores de atividade e de confiança devem continuar piorando até a metade do ano e começarão a se estabilizar - mas num patamar ruim - só no 2.º semestre. A reversão do quadro é esperada para a virada de 2016. “Os indicadores ruins da economia real não me surpreendem”, diz.

Ele ressalta que o que se vive atualmente é o pior desempenho da atividade desde 2009, quando o PIB caiu 0,2%. Ele projeta retração de 1% para o ano. Para o 1.º trimestre, a consultoria também espera queda no PIB em relação ao último de 2014. Mas, pelas revisões de metodologia do PIB, o tamanho do tombo ainda não foi estimado.

Borges explica que uma parte da retração da atividade resulta de decisões deliberadas de política econômica, como ajuste fiscal, com aumento das tarifas, e a alta da taxa de juros para fazer com que a inflação caminhe para a meta. Outra parte é reflexo da operação Lava Jato, que afetou grandes companhias empregadoras e que abrangem vários segmentos, como a Petrobrás e empreiteiras.

Essa também é a avaliação de Bacciotti. “A piora na indústria, por exemplo, está ocorrendo por causa dos efeitos da Lava Jato, pela incerteza quanto ao cenário de energia, e há um fator adicional que é o enfraquecimento da demanda interna.” A fraqueza da demanda interna, segundo ele, tem como pano de fundo a deterioração do mercado de trabalho.

Demanda. “O que esses indicadores estão mostrando são os primeiros sinais de deterioração da demanda agregada”, afirma o economista-chefe do Banco Fibra, Cristiano Oliveira. Como o ajuste mal começou, ele acredita que esse cenário deverá perdurar ao longo do ano.

Na avaliação de Oliveira, o que explica uma deterioração tão rápida e forte dos indicadores é que, ao contrário da crise de 2009, onde os problema eram de oferta, a crise atual está afetando não só a oferta, mas também a demanda. “Por isso ela é mais severa e rápida”, diz.

A fraca demanda doméstica é a grande preocupação dos empresários da indústria, segundo sondagem da FGV de março.

“O mercado doméstico está relativamente esgotado. Mas é um esgotamento até com uma certa cautela. A gente percebe que o consumidor não está indo tresloucadamente às compras”, afirma o diretor de pesquisa da consultoria GO Associados, Fabio Silveira. “Não podemos ter muita esperança do lado do consumidor.”

No auge da crise financeira internacional, em 2008, a economia conseguiu sair rapidamente da recessão por causa da força do mercado interno, o que não deve ocorrer agora.

Para Silveira, a economia deve enfrentar um período de baixo crescimento até o 1.º semestre de 2016, pelo menos. Para este ano, a previsão da GO é de uma retração do PIB de 1,2%.

Na avaliação do economista, a melhora da atividade passa pelo ajuste fiscal e pelo aumento da presença brasileira no mercado externo. 

Mais conteúdo sobre:
PIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.