Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Índios suspendem bloqueio mas mineiros mantêm protesto na Bolívia

Os índios e camponeses da região leste da Bolívia suspenderam na noite de quarta-feira noite o bloqueio de estradas e aceitaram dialogar com as autoridades as suas reivindicações, informaram nesta quinta fontes oficiais do governo.Porém, os mineiros da região oeste, que fecharam os acessos a três departamentos, mantêm sua pressão. Uma comissão de alto nível foi enviada pelo Executivo para tentar abrir negociações.A solução do conflito do Bloco Oriente, no departamento de Santa Cruz, foi obtida pelo próprio vice-presidente Álvaro García Linera, que viajou até San Julián, cerca de mil quilômetros a leste de La Paz, para negociar.Acompanhado de outras autoridades, García Linera convenceu os dirigentes indígenas e camponeses a liberar as estradas, disse o vice-ministro de Trabalho, Miguel Albarracín.O Bloco Oriente, formado por centrais indígenas e agrárias, reivindica que o Congresso Nacional aprove as reformas na Lei Agrária. O vice-presidente informou aos líderes da mobilização que a Câmara dos Deputados começou nesta quinta a debater o projeto.Já os filiados à Federação Nacional de Cooperativas Minerárias (Fencomin) decidiram manter o fechamento da estrada que une os departamentos de Oruro, Potosí e La Paz, na faixa andina. Eles reivindicam o respeito a suas concessões minerárias, ameaçadas por invasões de camponeses e indígenas, além de um plano de reativação do setor e o arquivamento de um projeto para criar um novo imposto.O presidente da Fencomin, Pascual Guarachi, anunciou que seu setor manterá o bloqueio até receber uma resposta favorável, segundo um boletim da estatal Agência Boliviana de Informação.O bloqueio interrompeu as viagens de ônibus e caminhões na região andina boliviana, o que afeta a maioria dos departamentos do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.