Indústria alemã segue forte, mas consumo diminui

A indústria alemã continua desfrutandode um crescimento robusto, ainda que os aumentos dos preçostenha reduzido o poder aquisitivo dos consumidores e que ogasto das famílias não mostre uma melhora significativa,informou nesta quinta-feira o ministério das Finanças. Com a desaceleração do crescimento global, a Alemanhaespera que o fortalecimento do consumo privado impulsione aeconomia e ajude a contrapor a debilitada situação dasexportações. Segundo dados do Escritório Federal de Estatísticas, ainflação dos preços ao produtor da maior economia européiasubiu 3,8 por cento em fevereiro, uma alta maior que a de 3,3por cento de janeiro, elevando a taxa ao maior nível desdedezembro de 2006. O setor de energia teve o maior impacto das altas dospreços em fevereiro. Em seu relatório mensal, o ministério das Finanças divulgouque os exportadores alemães continuam em boa forma, apesar davalorização do euro, e acrescentou que o comércio internacionaldeve contribuir com o crescimento em 2008, ainda que numaescala menor que nos últimos anos. "O nível do setor manufatureiro segue bastante acima dopatamar consistente de uma atividade industrial sólida", disseAlexander Koch, economista do Unicredit. "No entanto, o atual desaquecimento da demanda global e ocâmbio recorde do euro, provavelmente se farão sentir ao longodo ano", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.