Indústria brasileira entra no 2o semestre mais cautelosa

A indústria brasileira teve um bomdesempenho ao longo do primeiro semestre do ano, mas a cauteladeve prevalecer na segunda metade de 2008, mostrou pesquisadivulgada nesta terça-feira. De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), osempresários do setor continuam fazendo uma avaliação positivasobre a situação atual dos negócios, mas não estão muitoentusiasmados com o cenário traçado para o segundo semestre. "Em relação aos próximos seis meses, os empresários semostram mais cautelosos ao avaliar a situação dos negócios",afirmou a FGV em comunicado. Das 1.042 empresas ouvidas, 56,9 por cento esperam melhorada situação neste período. No mesmo período do ano passado,essa parcela era de 62,9 por cento dos entrevistados. Os que apostam em uma piora do cenário somaram 7,2 porcento do total de empresas consultadas, uma alta frente aos 4,2por cento registrados em julho de 2007. O Índice de Confiança da Indústria (ICI), apurado pelaFundação, registrou uma queda de 0,7 por cento de junho parajulho, considerando os dados sem ajuste sazonal. A sondagem, feita entre os dias 1o e 25 de julho, mostrouainda que a atividade do setor segue aquecida. O indicador sobre o uso de capacidade instalada --uma dasformas de medir o ritmo de produção do setor-- ficou em 86,1por cento em julho, levemente abaixo do patamar de 86,3 porcento apurado em junho. "O resultado geral mostra que a indústria mantém-seaquecida, mas com um ritmo de atividade um pouco menos intensoque o registrado no segundo semestre de 2007", avaliou a FGV.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.