Indústria comemora PIB e destaca necessidade de investimento

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto, afirmou que o crescimento de 5,2% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2004 " é um resultado altamente positivo e que se deveu não só ao desempenho das exportações, mas também à reativação da demanda doméstica". Ele destacou que o desafio agora é aproveitar esse impulso da economia brasileira para garantir que o processo de desenvolvimento seja sustentável ao longo dos próximos anos, por meio da ampliação da taxa de investimento."Isso só acontecerá se continuarmos a atuar para melhorar o ambiente econômico, avançar na agenda microeconômica, reduzir os spreads bancários, aprofundar a reforma tributária, reduzir a burocracia e ampliar o financiamento. Esses são os desafios que temos, além de manter uma política de muita austeridade fiscal", afirmou.Monteiro Neto ainda comentou o fato de o desempenho do PIB em 2004 ter sido puxado pela indústria (6,2%), com destaque para a indústria de transformação (7,7%). "Isso coloca a indústria em posição de vanguarda e demonstra que o setor é que está puxando o processo de crescimento do país".Investimento é precisoO presidente da Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base (Abdib), Paulo Godoy, também comemorou e disse que o resultado demonstra que o País saiu do período de retração econômica verificado nos anos anteriores. Ele ressaltou, no entanto, que não há muito tempo para se festejar. "Temos de olhar para frente e rápido", disse o empresário, lembrando que em 2005 o desafio do setor produtivo é atender ao mesmo tempo os mercados externo e interno - que neste ano deve estar mais aquecido."Para manter o crescimento, precisamos de investimento. Só que a disputa por recursos estrangeiros está cada vez mais acirrada, e o Brasil precisa criar condições para não perder as oportunidades que se apresentam", ressaltou o presidente da Abdib. PerspectivasO crescimento do PIB em 2005 será superior a 4%, na avaliação do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan. Ao comentar o crescimento de 5,2% do PIB em 2004, ele disse que a equipe econômica já tinha convicção, desde meados do ano passado, de que a expansão seria nesse patamar."O número para este ano certamente será acima de 4% e pode ser parecido com o do ano passado", disse. Ele previu que em 2005 deverá haver um equilíbrio maior entre a contribuição dada pelo mercado interno e a do setor exportador para a equação da economia. O ministro afirmou acreditar na expansão da demanda interna e informou que as estatísticas que serão divulgadas pelo setor de supermercados confirmam esta expectativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.