finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Indústria conectada

Não são somente os robôs que mudam a indústria. Recentemente, a GE divulgou a quarta edição de seu estudo anual de seu Barômetro Global da Inovação. Um dos destaques da pesquisa, que ouviu 3.209 executivos em 26 países (incluindo o Brasil), foi a percepção dos entrevistados sobre se estamos ou não vivendo uma nova revolução industrial.

RENATO CRUZ, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2014 | 02h05

As opiniões ficaram divididas. Foi pedido que os entrevistados avaliassem a seguinte afirmação: "Vivemos atualmente uma nova revolução industrial no encontro entre o hardware e o software, uma mudança histórica na era da fabricação avançada e da internet industrial".

Para 52%, a frase é verdadeira, enquanto que, para 42%, existe um exagero nela, pois estaríamos vivendo uma evolução técnica contínua, e não uma revolução. Para os 6% restantes, a afirmação é falsa, pois a nova revolução industrial não passaria de um mito.

Uma das faces dessa revolução seria a "internet industrial", expressão cunhada pela própria GE. O conceito seria a versão para máquinas pesadas do fenômeno que vem sendo chamado de "internet das coisas", em que todo tipo de equipamento e produto passa a ser conectado à internet.

A incorporação de sensores e aplicação de técnicas de análise de dados a equipamentos como motores e turbinas prometem aumentar a eficiência, reduzir custos e evitar falhas. "Já atendemos a novos clientes no Brasil com esse conceito", afirmou Adriana Machado, vice-presidente de Assuntos Governamentais e Políticas Públicas da GE para a América Latina.

Apesar disso, o conhecimento a respeito desse assunto ainda não é grande. Do total dos entrevistados, 44% disseram nunca ter ouvido falar de "internet industrial", enquanto 25% disseram ter uma estratégia ou processo parcial ou totalmente preparado para isso.

Mesmo a chamada internet das coisas ainda é novidade em qualquer lugar do mundo. Conversei com Alessandro Cunha, diretor de tecnologia da TechTraining sobre casos interessantes em desenvolvimento fora do Brasil.

Um exemplo é a empresa Streetline, que desenvolveu parquímetros inteligentes, com sensores, integrados a aplicativos de celular. O motorista pode consultar onde existe uma vaga disponível no lugar em que está indo, reservar a vaga pelo smartphone e pagar para estacionar nela. O carro não precisa ter nenhum sensor, pois a checagem do tempo em que o automóvel fica na vaga é feita pelo sistema de localização do próprio celular.

Por aqui, ainda existem poucos exemplos práticos. O evento ESC Brazil, que acontece nos dias 26 e 27 de agosto em São Paulo, vai discutir, entre outros temas, os motivos disso. Para Cunha, a falta de fabricantes de chips no País é um dos fatores que dificultam o desenvolvimento de soluções brasileiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.