Indústria considera "desanimadora" a decisão do Copom

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), deputado Armando Monteiro Neto (PTB-PE), disse hoje que considera "desanimadora" a elevação da Selic, a taxa básica de juros da economia, para 19,25% ao ano, a 7º consecutiva que já acumula, desde setembro, um acréscimo de 3,25 pontos porcentuais na Selic.A decisão do Copom "trará efeitos redutores sobre o ritmo de crescimento da economia em geral, especialmente sobre a atividade industrial", afirmou Monteiro Neto, lembrando que "a demanda interna, principalmente o investimento e os bens de consumo duráveis, já se ressentem da contínua elevação dos juros". Segundo o presidente da CNI, a nova taxa da Selic significa juro real - juro nominal descontada a inflação - da ordem de 13% ao ano."Com isso, o BC irá ocasionar um aumento do custo do dinheiro, com implicações negativas para a atividade produtiva", afirmou Monteiro Neto. Ele insiste em que é preciso o governo reduzir seus gastos, vez que esses gastos, no entender dele, contribuem para pressionar a inflação. "Preocupa a CNI a disseminação de um falso consenso de que a reação a eventuais pressões inflacionárias deva ser necessária e unicamente o aperto monetário", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.