Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Indústria corta 236 mil vagas em SP

Com 43 mil dispensas em fevereiro, onda de demissões chega ao 5.º mês, mas Fiesp já vê sinais de estabilização

Anne Warth, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2009 | 00h00

Em fevereiro, pelo quinto mês consecutivo, as demissões superaram as contratações na indústria paulista. Levantamento divulgado ontem pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) mostra que as empresas do setor fecharam 43 mil postos de trabalho no mês passado, o que representou queda de 2,09% no nível de emprego em relação a janeiro, segundo dados com ajuste sazonal. Foi o pior resultado para um mês de fevereiro na série histórica da Fiesp, iniciada em julho de 1994. Desde outubro de 2008, quando os efeitos da crise financeira mundial sobre a indústria se agravaram, as empresas paulistas já fecharam 236,5 mil vagas - o correspondente ao corte de 8,5% no total de 2,350 milhões de postos de trabalho que existiam no setor até setembro."Nestes cinco meses, perdemos mais do que havíamos ganho no nosso melhor ano", disse Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, referindo-se a 2004. Naquele ano, foram abertas mais de 140 mil vagas na indústria paulista. "Como normalmente ocorre a demissão de pouco mais de 35 mil pessoas nesse período de cinco meses, pode-se dizer que houve um corte adicional de 200 mil vagas por causa da crise", acrescentou Francini.Mas a Fiesp já tem indícios de que o mês de março pode significar o fim do movimento de perda de postos de trabalho. Na primeira quinzena do mês, o indicador Sensor, que mede a confiança dos empresários, marcou 50,2 pontos, o que indica estabilidade, fato que não ocorria desde outubro de 2008. Nesse período, o indicador chegou a bater em 34 pontos, na primeira quinzena de dezembro. "Isso sugere que as empresas começaram a enxergar alguma melhora no ambiente econômico", disse o diretor da Fiesp. Dois dos itens que compõem o Sensor tiveram forte recuperação: Mercado, que fechou com 58,9 pontos, e Vendas, com 54,6 pontos. Eles indicam que o industrial percebe melhora tanto no mercado, de forma geral, como nas suas vendas, de forma mais específica. Já o item Emprego ficou com 47,7 pontos. Embora ainda distante dos 55/60 pontos registrados ao longo de 2008, o resultado é muito melhor que os 35/40 verificados desde novembro. Para Francini, embora seja difícil prever como será o resultado de março, tudo indica que o emprego pode ficar estável. Se cair, ele acredita que será numa intensidade bem menor que a dos últimos meses. Por enquanto,74 mil vagas já foram fechadas este ano. Na comparação entre fevereiro de 2009 com o de 2008, o nível de emprego mostra retração de 4,57%, com a eliminação de 112,5 mil postos de trabalho no período. Dos 22 segmentos pesquisados, 20 demitiram e só dois contrataram em fevereiro. As empresas do setor de couro e calçados abriram 346 vagas, enquanto as de produtos diversos fizeram 77 contratações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.