Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Indústria corta investimentos de R$ 21 bi, diz Fiesp

A forte contração da atividade econômica por causa da crise mundial abalou os planos de investimentos da indústria brasileira. Com demanda mais fraca no mercado interno e exportações em baixa, uma parte das empresas preferiu rever as estratégias de expansão. Algumas optaram pela redução do volume planejado. Outras adiaram (e até cancelaram) por tempo indeterminado projetos já autorizados inclusive por conselhos de administração.

RENÉE PEREIRA, Agencia Estado

29 de março de 2009 | 08h54

Sondagem feita pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com 1.204 indústrias do País, mostra que o número de empresas que não pretende investir em 2009 subiu de 11% no ano passado para 25% agora. Isso significa que, pelo menos, uma em cada quatro companhias suspendeu seus projetos de ampliação. Na prática, o volume de investimento vai encolher R$ 21,4 bilhões - de R$ 102,5 bilhões para R$ 81,1 bilhões.

Como a maioria dos recursos seria aplicada na compra de máquinas e equipamentos para ampliação da produção, o recuo terá impacto direto na geração de empregos. A expectativa é de uma redução de 1,5 milhão de empregos diretos e indiretos em três anos, afirma o diretor do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho. ?Este ano a maioria das empresas vai investir apenas na manutenção de seus mercados. Dificilmente o quadro vai se alterar no curto prazo.?, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
empregoFiesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.