Indústria cresce 1,9% em junho

Na comparação com junho de 1999, o crescimento da produção industrial é de 7,6% em junho desse ano. No primeiro semestre de 2000, o crescimento de 6,8% do setor industrial é o patamar mais elevado de produção desde o início do cálculo dos índices, em 1975. No acumulado dos últimos doze meses, alcança a marca dos 4,2%. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).O aumento da atividade alcançou todas as categorias de uso e treze dos vinte ramos pesquisados. As áreas de bens de consumo duráveis e de bens de capital tiveram um desempenho acima da média. No resultado de junho, os 19,8% de crescimento obtidos pela mecânica trouxeram o principal impacto à formação do índice global da indústria. Em seguida, vêm as contribuições de material de transporte ,extrativa mineral, material elétrico e de comunicações e química. Bens de consumo No confronto entre junho de 2000 e do ano passado, a expansão na área de bens de consumo duráveis chega aos 25,1% e em bens de capital aos 11,8%, enquanto bens intermediários alcança crescimento de 8,3%. Por outro lado, a produção de bens de consumo semi- e não-duráveis aponta um decréscimo de 1,5%. Entre os bens de consumo duráveis o comportamento positivo é generalizado. Não só os automóveis (22,9%) mostram taxas expressivas, mas o setor de imagem e som cresceu 55,2% e outros eletrodomésticos tiveram um crescimento de 32,6%. Na área de bens de capital, o indicador mensal registra o oitavo mês consecutivo de crescimento com alta de 11,8%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.