Indústria cresce em 8 dos 14 locais pesquisados, segundo IBGE

SP registra expansão de 4,6% em março ante o mesmo período de 2007 e acumula crescimento de 9% no 1º tri

ADRIANA CHIARINI, Agencia Estado

08 de maio de 2008 | 09h26

A produção industrial brasileira cresceu em oito dos 14 locais pesquisados pelo IBGE na passagem de fevereiro para março deste ano. Os Estados que tiveram crescimento acima da média nacional, de 0,4% nessa comparação, foram Ceará (7,5%); Espírito Santo (3,3%); Pernambuco (2,9%); São Paulo (1,9%); Paraná (1,1%); Minas Gerais (0,8%) e Santa Catarina (0,6%).  O Estado de São Paulo, de maior produção, teve expansão de 4,6% em relação a março do ano passado, acumulando um crescimento de 9% no primeiro trimestre de 2008 em relação ao mesmo período no ano passado.Em relação à março de 2007, dez locais mostraram expansão, porém, em ritmo menor do que nos meses anteriores, assim como no caso nacional. Nessa base de comparação, os Estados que tiveram redução na produção foram Santa Catarina (-2,3%); Rio Grande do Sul (-1,2%); Bahia (-0,1%) e Rio de Janeiro (-0,1%). O IBGE explica que essa desaceleração deve-se a fatores pontuais, como o fato de março deste ano ter tido 20 dias úteis, enquanto o do ano passado teve 22 dias úteis; e a dificuldade de importação pelas indústrias devido à greve dos auditores fiscais da Receita Federal. Construção Civil O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo IBGE e pela Caixa Econômica Federal (CEF), teve alta de 0,37% em abril, menor que a de março, que foi de 0,84%, e que a de abril do ano passado (0,41%). O índice está acumulado em 12, 09% em 2008, e em 6,48% em 12 meses. O custo nacional por metro quadrado atingiu R$ 618,36 em abril, dos quais R$ 356,63 são referentes aos materiais e R$ 261,73 à mão de obra. A parte de materiais subiu 0,60% em abril, e a mão-de-obra teve alta de 0,06% no mesmo período.

Tudo o que sabemos sobre:
Indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.