Indústria de alimentos discute formas de combater desperdício
Conteúdo Patrocinado

Indústria de alimentos discute formas de combater desperdício

Enquanto quase um bilhão de pessoas passam fome no mundo, um terço dos alimentos produzidos vai parar no lixo. O assunto foi tema de debate realizado na TV Estadão em parceria com a BRF, uma das maiores empresas de alimentos do mundo

BRF, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

15 de outubro de 2019 | 18h30
Atualizado 17 de outubro de 2019 | 11h18

Evitar desperdícios na produção, transporte e consumo de alimentos é o primeiro passo para reduzir os efeitos de uma triste realidade: há 820 milhões de pessoas passando fome no planeta e 600 milhões de pessoas adoecendo a cada ano pelo consumo de alimentos contaminados. Os esforços contra os desperdícios foram o tema principal do debate que aconteceu na TV Estadão na sexta-feira 11, como preparação para o Fórum Estadão Think  “Inovação Transformando a Indústria de Alimentos”, que foi realizado no Dia Mundial da Alimentação, 16 de outubro.

Os participantes da conversa representam as duas pontas do processo de produção e consumo de alimentos. Neil Peixoto, vice-presidente de qualidade, pesquisa & desenvolvimento e sustentabilidade da BRF, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, descreveu as iniciativas da indústria para aumentar a eficiência e reduzir as perdas dos mais diversos tipos. Já a economista Luciana Quintão, fundadora da ONG Banco de Alimentos, que recolhe e distribui alimentos que seriam destinados à destruição, lembrou a responsabilidade de cada pessoa na conscientização sobre o desperdício.

“Combater o desperdício dentro de uma indústria é utilizar os recursos de uma forma cada vez mais inteligente e mais eficiente. Para que isso ocorra, é fundamental estar sempre inovando e investindo em novas tecnologias”, destacou Peixoto. Ele descreveu algumas das iniciativas da BRF relacionadas ao uso consciente dos recursos naturais, hídricos e energéticos, além da gestão de emissões e resíduos, incluindo embalagens. “A empresa não tem o compromisso apenas com a produção de alimentos, mas também com o impacto gerado no entorno em que opera e no ambiente como um todo”, acrescentou o executivo.

 

 

Luciana Quintão lembrou que, enquanto a indústria trabalha pela melhoria constante de seus processos, cada pessoa deve dar a sua contribuição ao revisar e repensar suas práticas e hábitos, com o intuito de se alimentar melhor e eliminar desperdícios.

Os especialistas apontaram que as ações das empresas, do Terceiro Setor e dos cidadãos precisam encontrar respaldo em decisões governamentais que contribuam para uma melhor distribuição de renda. “A questão de ter acesso ao alimento é uma questão fundamentalmente financeira. Metade das famílias brasileiras vive com menos de dois salários mínimos por mês, o que tem relação direta com o fato de que um terço da nossa população vive sob insegurança alimentar”, descreveu Luciana.

Peixoto afirmou que a BRF permanece sempre atenta ao cenário conjuntural e compreende ter o papel social de facilitar o acesso da população aos alimentos. “Colocamos no mercado produtos com vários níveis de custo, desde os mais acessíveis aos mais premium”, lembrou, ressaltando que os princípios de segurança e qualidade são aplicados a todas as linhas.

Patrocinado pela BRF, o Fórum Estadão Think teve como tema “Inovação Transformando a Indústria de Alimentos”. Realizado no Rooftop 5, em São Paulo, o evento enfatizou as discussões sobre como a inovação pode contribuir positivamente na busca de soluções pela indústria de alimentos. Os três painéis contemplaram uma série de aspectos relacionados ao tema, a exemplo de desperdício de alimentos, embalagens e resíduos, bem-estar animal, responsabilidade social, consumo de água e energia, diversidade, entre outros. Neil Peixoto e Luciana Quintão estavam entre os participantes dos debates.

Para conferir o debate na íntegra, clique aqui.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.